Crítica - Melancholia (2011)

Realizado por Lars von Trier
Com Kirsten Dunst, Charlotte Gainsbourg, Kiefer Sutherland, Alexander Skarsgård

O contestado e excessivo “Antichrist“ (2009), foi muito mal recebido na maioria dos mercados internacionais e envolveu Lars Von Trier numa série de controvérsias morais que mancharam a sua credibilidade e o seu estatuto artístico, no entanto, este cineasta manteve-se fiel ao seu estilo e decidiu brindar-nos com “Melancholia”, um filme dificílimo de avaliar e assimilar, mas que se assume claramente como um dos trabalhos mais fascinantes deste cineasta. A sua envolvente história existencialista centra-se, essencialmente, na relação ambivalente entre Justine (Kirsten Dunst) e Claire (Charlotte Gainsbourg), duas irmãs muito diferentes que vêm o mundo de forma descoincidente, já que Justine é tida como uma jovem excêntrica e emocionalmente instável que só consegue confiar na sua irmã mais velha, uma mulher muito sensata e tolerante que se assume como o elemento mais normal da sua família. O seu delicado relacionamento é posto à prova durante a desastrosa cerimónia de casamento de Justine com Michael (Alexander Skarsgård), e durante os dias que antecedem o inevitável fim do mundo.


A estreia mundial de “Melancholia” realizou-se no Festival de Cannes, onde também estreou “The Tree of Life”, um drama humanista com claras tendências divinas de Terrence Malick, que acabou por vencer a icónica Palma de Ouro de Melhor Filme. É verdade que estes dois filmes têm certas semelhanças, mas o trabalho de Von Trier é, no meu entender, muitíssimo mais astuto, realista e interessante que o do seu camarada norte-americano. A também difícil história de “The Tree of Life” aborda os dilemas e as dificuldades da existência humana através de ideias divinos e até ver fantasiosos, que sustentam a existência de uma entidade omnisciente que criou a Terra e o Universo. É claro que esta análise tem os seus méritos e é muito mais reconfortante e harmoniosa que aquela que é feita por Von Trier em “Melancholia”, um filme muito duro mas neutro, onde reina a ideia ateísta que a Humanidade não é controlada nem foi criada por um ser divino que salvará as nossas almas. A vida humana é, desta forma, tida como a única certeza nesta obra, cujo enredo se divide em três segmentos: um prólogo, um casamento e o final do mundo.


O prólogo é uma sequência puramente artística que é formada por uma série de cenas muito refinadas que têm como fundo sonoro o fantástico “Tristan und Isolde - Prelude”, o inicio da famosa ópera que foi criada por Richard Wagner no Século XIX. É durante esta sequência que somos brindados com uma assombrosa visão afastada do catastrófico embate do Planeta Melancholia com a Terra. O seu segundo segmento mostra-nos uma calamitosa festa de casamento, onde ficamos a conhecer as duas intervenientes centrais do filme: Justine e Claire. O evento tem uma essência tradicional, mas os traumas e os medos irracionais de Justine, acabam por transforma-lo numa enorme farsa matrimonial cheia de simbolismos, onde reina o cinismo e a ironia. Os vários encontros que Justine tem com os seus familiares e convidados, são, na sua maioria, muito exuberantes e mostram-nos que ela é uma mulher muito instável que nutre um certo desdém por tudo e por todos, mas indicam também que a sua irmã mais velha é a única pessoa que a aceita tal como ela é, sendo por isso a sua única aliada. Von Trier utiliza Justine e os seus altos e baixos para abordar, com uma certa leveza e astúcia, o lado mais constrangedor e extrovertido da socialização humana, mas também para nos preparar para o último segmento do filme, esse sim muito mais sério e verdadeiramente melancólico. A sua terceira e última parte aborda então o fim do mundo, que é provocado pelo embate entre a Terra e o Planeta Melancholia. É claro que este embate não tem nenhuma base científica e serve apenas para reforçar a fragilidade emocional e sentimental da humanidade, mas é mesmo assim, um dos elementos fulcrais do filme. Após o previsível fracasso do seu casamento, Justine entrou num profundo estado depressivo e mudou-se definitivamente para a mansão de Claire que, uma vez mais, decidiu tomar conta dela. O estado de Justine é motivado pelos vários problemas da sua vida, mas também pelas suas visões futuristas que lhe mostram o iminente final da vida terrestre, preparando-a assim para o que aí vem. Se durante o casamento e toda a sua vida, Claire foi o apoio emocional de Justine, nos últimos dias do Planeta Terra, as situações invertem-se e uma já curada e conformada Justine, cuida da sua irmã, dando-lhe conselhos sobre como lidar com a inevitável catástrofe. O fatalismo e melodramatismo deste último segmento é evidente, mas existe nesta última hora de filme uma brutal honestidade que evidencia a nossa essência humana, e o lado mais sentimentalista e existencialista de Von Trier.


A realização de Lars Von Trier é, mais uma vez, excelente. O seu talento nunca foi colocado em causa por ninguém, e salta novamente à vista em várias sequências como o prólogo ou a conclusão. A cenas onde o Planeta Melancholia aparece no céu são sublimes, e realçam o lado artístico desta obra que até é um dos filme menos “art house” da carreira do cineasta. Kirsten Dunst e Charlotte Gainsbourg estão sublimes como Justine e Claire. As duas actrizes mostram-nos toda a sua habilidade com estes seus carismáticos trabalhos que merecem todos os elogios possíveis. O seu elenco secundário também se exibe a um bom nível, mas Dunst e Gainsbourg são indiscutivelmente as estrelas de “Melancholia”. Eu admito que não sou o maior fã de Lars Von Trier, mas este seu "Melancholia" convenceu-me com a sua irreverência filosófica e excelência intelectual. É verdade que não é um filme para todos, mas é sem dúvida uma das melhores obras dramáticas do ano.

Classificação – 4,5 Estrelas em 5

6 comentários:

  1. Boas, depois do intragável Anticristo, também achei este filme deveras interessante, com um grande papel da Kirsten Dunst entre outros actores.

    Bons filmes e já agora bom Natal e boas entradas para todos os colaboradores e leitores deste grande Portal de Cinema.

    Pedro Moutinho

    ResponderEliminar
  2. Obrigado Pedro. Também lhe desejamos os votos de boas festas.

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito da crítica e sobretudo do filme, apenas tenho algo a acrescentar, aliás, algo que não vi em nenhuma crítica a este filme. A meu ver, "Melancolia", não é apenas o planeta que choca com a Terra, é também, o estado em que Justine vive... Ela sofre de melancolia (doença depressiva) Penso que o próprio prólogo e a sequência de imagens do brilhante Wagner (um compositor essencialmente trágico) transporta-nos um pouco para esse estado de melancolia...

    ResponderEliminar
  4. Filme intenso e negro. Obra de arte.

    ResponderEliminar
  5. ja vi muitos filmes, inclusive de lars von trier, mas nenhum me fez sentir algo tao forte como este... assim sim, vale apena

    ResponderEliminar
  6. Filme bom, colocando de frente a iminência de Nibiru que deve estrear em breve no cenário terrestrre, seria até 2032? Bem imaginem o caos que causaria na humanidade, e como seria o drama de uma família no contexto. Kiefer Sutherland até comenta que não há perigo, escondendo o jogo...Uma visão simplificada do que realmente há por vir - pesquisem o assunto e não caiam nessa de 2012, pois o negócio é bem mais embaixo.
    Plyttz Brownie
    referências: www.shtareer.com.br

    ResponderEliminar

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial