Crítica - Hugo (2011)

Realizado por Martin Scorsese
Com Asa Butterfield, Ben Kingsley, Chloë Grace Moretz, Sacha Baron Cohen

“Hugo” é um filme invulgar, vindo de quem vem. À primeira vista, não parece ser um filme de Martin Scorsese. Se nos tivessem ocultado a identificação do cineasta por detrás desta película e nos fosse pedido para adivinharmos o nome desse mesmo cineasta, decerto não hesitaríamos em lançar nomes como Tim Burton, Chris Columbus ou até Steven Spielberg para a pilha das hipóteses mais viáveis. Isto porque “Hugo” possui o perfume de magia tão próprio das fitas de Burton, o equilíbrio entre o drama e a comédia tão característico dos trabalhos de Columbus, e o cheirinho de intriga familiar sempre presente nas obras de Spielberg. Mas o realizador desta obra tão bela quanto enternecedora chama-se Martin Scorsese. Sim, esse mesmo. O cérebro por detrás de fitas tão chocantes, perturbadoras e controversas como “Taxi Driver”, “Raging Bull”, “Cape Fear”, “Gangs of New York” e “The Last Temptation of Christ”, só para referir algumas. Ora, é certo que uma história juvenil sobre um órfão que devolve a paixão pelo cinema ao lendário Georges Méliès não é propriamente o tipo de material que estamos habituados a ver nas mãos de Scorsese. Mas até o icónico realizador de 69 anos de idade tem o direito de experimentar novas facetas da 7ª Arte, especialmente quando já não tem nada a provar perante ninguém. E a verdade é que, apesar de não ter a mesma força e até a mesma consistência narrativa das grandes obras-primas do realizador nova-iorquino, este “Hugo” não deixa de ser uma fita deliciosa e cheia de magia. Uma fita que presta homenagem ao próprio legado do cinema, sendo ao mesmo tempo uma peça nostálgica sobre os primórdios da indústria e uma carta de amor à capacidade que esta arte tem de pôr as pessoas a sonhar bem alto.



Sediado numa Paris encantadora da primeira metade do século XX, “Hugo” convida-nos a acompanhar as desventuras de um rapazinho órfão chamado Hugo Cabret (Asa Butterfield), que vive nos labirintos que compõem as entranhas dos relógios de uma estação ferroviária parisiense. Só e abandonado pelo pai (Jude Law) morto num incêndio e pelo tio (Ray Winstone) doidivanas, Hugo sobrevive à custa do roubo forçado. O único legado do seu pai é um autómato misterioso que se encontra avariado. E convicto de que este esconde alguma mensagem importante, o rapaz dedica a sua vida a tentar consertá-lo com várias peças que vai saqueando aqui e acolá. Um dos seus pontos preferidos de pilhagem é a loja de brinquedos de Georges Méliès (Ben Kingsley), um velhote carrancudo e apático que esconde um passado glorioso no mundo do cinema. Mas num dia como tantos outros, Hugo é apanhado em flagrante delito por Méliès, que o obriga a trabalhar na loja como forma de pagamento pelos inúmeros assaltos ali efectuados. E desta forma tem início uma viagem com contornos de aventura, que levará Hugo a desvendar um enorme mistério ocultado à força pelo velhote amargurado. Tudo com a ajuda da inteligente e extrovertida Isabelle (Chloë Grace Moretz), que constrói uma amizade instantânea com o rapaz e se revela uma aliada de grande valor na batalha contra os caprichos de um guarda (Sacha Baron Cohen) verdadeiramente excêntrico e o seu cão de orelhas pontiagudas…




A força maior de “Hugo” reside na forma natural e relativamente calculada como capta o fervor dos espectadores. De facto, os cenários são tão maravilhosos e as personagens tão genuínas que o espectador não tem como escapar a um estado de deslumbramento quase instantâneo. Houve já quem dissesse que nas mãos de Scorsese o 3D era arte pura. E de facto assim é. Pela primeira vez desde o épico futurista “Avatar”, o efeito 3D alia-se a uma fotografia apaixonante e a um enredo em crescendo para nos inserir por completo num mundo de magia onde tudo parece ser possível de ser concretizado. A primeira sequência do filme mostra logo por si só toda a genialidade de Scorsese. Com a ajuda de uma banda-sonora simplesmente deliciosa por parte do mítico Howard Shore e também com o auxílio de uma montagem suave e extremamente bem efectuada por parte de Thelma Schoonmaker, essa sequência introdutória desfruta ao máximo do efeito de profundidade do 3D para fazer com o que espectador se sinta um autêntico transeunte daquela estação ferroviária. Por momentos sentimo-nos autenticamente na Paris dos anos 30 e só fica mesmo a faltar o cheirinho dos croissants acabadinhos de sair do forno. Nas mãos de um realizador vulgar, a estação parisiense praticamente passaria despercebida. Nas mãos de Scorsese, contudo, quase que ganha vida própria. E isso apenas ajuda o espectador a entrar no estado de espírito da película. Uma película que se consegue afirmar como uma das mais belas e encantadoras dos últimos anos, precisamente porque apela à libertação do lado onírico e romântico que todos conservamos nas nossas almas.




Mas por muito deslumbrante que “Hugo” seja, infelizmente nem tudo são rosas. O elenco cumpre com tudo aquilo que se lhe exigia, o realizador mostra-se perfeitamente à-vontade neste mundo mais mágico (quase fantástico) e menos acinzentado da 7ª Arte, e toda a vertente técnica da película pouco deixa a desejar. Porém, como fita juvenil que é, “Hugo” não consegue desmarcar-se completamente de alguns lugares-comuns perfeitamente desnecessários, assim como de uma certa previsibilidade que lhe retira alguns pontos. É mais difícil ser-se original e irreverente numa fita destas características. Todos sabemos isso. Mas de Scorsese e de uma obra que tem sido constantemente apelidada de “obra-prima” esperava-se um pouco mais de originalidade e um pouco menos de déjà-vu. A meia hora do final já prevemos facilmente como tudo vai acabar. Certas partes do enredo sucumbem à resolução fácil e forçada das problemáticas apresentadas, obviamente com vista ao praticamente obrigatório happy-ending. E isso, por muito que não destrua tudo o que está para trás, atenua um pouco as qualidades desta obra. Resumindo e concluindo, merece figurar nas listas de nomeados a melhor filme do ano. Mas está longe de ser o melhor filme de 2011.


Classificação – 4 Estrelas Em 5

4 comentários:

  1. boa fábula, com um final bonito e tocante.
    transmite um pouco da infância que Martin S. teve!

    aconselho

    ResponderEliminar
  2. bom filme, e boa critica
    mas nao vi nenhuma "obra de arte", na minha opiniao nao merece nomeaçao para melhor filme, e um bom filme mas podia dar o seu lugar a "melancholia" por exemplo..

    bom para se ver no cinema com a familia

    ResponderEliminar
  3. bom,mas nada mais do que isso.

    ResponderEliminar
  4. Concordo. Um bom filme, com muita coisa boa. Mas melhor filme? para mim não... muito sinceramente os óscares por vezes deixam a desejar... Não fiquei nem impressionado nem sensibilizado com este filme.. É bom filme, muito peculiar e até bastante engraçado, mas a história não me cativou muito...

    ResponderEliminar

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana

Membro Oficial

Membro Oficial