Crítica - The Vow (2012)

Realizado por Michael Sucsy
Com Channing Tatum, Jessica Lange, Rachel McAdams

A ideia de amor incondicional e imortal está bem viva em “The Vow”, um filme ideal para o dia dos namorados ou para um escaldante encontro romântico mas que infelizmente é demasiado banal e artificial para o dia-a-dia de um cinéfilo comum. As estrelas do seu elenco e o seu estreante realizador bem tentaram fazer um filme interessante e emocionante, mas a sua leviana narrativa acabou por condena-lo à mediocridade cinematográfica. A história de “The Vow” é baseada em factos reais e relata-nos o drama íntimo e matrimonial de Leo e Paige (Channing Tatum e Rachel McAdams), um forte casal que subitamente se vê à beira do divorcio quando Paige sofre um violento acidente de automóvel que a deixa amnésica. A sua incurável e incontrolável condição deixa Leo à beira de uma depressão, mas o seu forte amor por Paige leva-o a fazer tudo o que estiver ao seu alcance para salvar o seu casamento.


O seu enredo está cheio de clichés e em certas alturas parece que estamos a ver um mau remake de “The Notebook” (2004), mas a sua falta de criatividade e a constante sensação de déjà vu que sentimos ao vê-lo não são os seus únicos defeitos. A base da sua história apela à emotividade e ao melodramatismo, mas os seus flácidos e frívolos diálogos não exteriorizam essas emoções nem nos levam a sentir nenhuma compaixão ou compreensão pela terrível situação de Paige e Leo, duas personagens que, no meu entender, têm uma construção demasiado oca e artificial para um filme baseado em factos verídicos que deveria primar pelo realismo e não pelo idealismo romântico. Os actores que as interpretam, Rachel McAdams e Channing Tatum, deram o seu melhor mas infelizmente os seus razoáveis trabalhos não alteram o fraco nível deste filme que acaba por não acrescentar nada de novo ao género, sendo apenas mais um mediano filme romântico para uma sessão de cinema a dois.

Classificação – 2 Estrelas em 5

4 comentários:

  1. que falta de sensibilidade, aff. quem não tem o que fazer é assim mesmo.

    ResponderEliminar
  2. concordo, a crítica é spot on!

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem que um filme 'medíocre' como esse ainda faz mais sucesso que um blog tosco como esse ;D

    ResponderEliminar
  4. Muito boa noite, o filme está muito bem construído... não só a nível de fotografia, assim como sonoro e muito bem interpretado pelos autores... um filme que transborda dos ecrãs todo o sentimento que quer ser transmitido...
    A opinião de cada um é para ser respeitada, mas não posso deixar de dizer que o autor desta critica tem que ver bem mais filmes, ler mais, e levantar a cabeça e olhar em sua volta para ver o mundo de outra forma...

    ResponderEliminar

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial