Crítica - Hope Springs (2012)

Realizado por David Frankel
Com Meryl Streep, Steve Carell, Tommy Lee Jones

A primeira coisa que salta à vista neste “Hope Springs” é claramente o seu soberbo elenco central formado por Meryl Streep, Steve Carell e Tommy Lee Jones, mas o enorme talento e carisma destes três astros representa apenas um dos muitos atributos desta belíssima comédia romântica, que também é dominada e valorizada pela extraordinária subtileza cómica e romântica da sua cativante história, onde acompanhamos a progressiva reabilitação romântica e matrimonial de Kay e Arnold (Meryl Streep e Tommy Lee Jones), um casal sólido e dedicado cujo duradouro casamento já teve dias melhores e mais sensuais. A ativa Kay ambiciona apimentar a sua relação, de forma a aproximar-se sexualmente e emocionalmente do seu marido e, quando descobre a existência de um celebrado especialista de casais (Steve Carell) na pequena cidade de Great Hope Springs, decide tentar persuadir o seu cético esposo, um homem habituado às rotinas, a meter-se num avião para uma semana de terapia conjugal. O fato de ter conseguido convencer o seu teimoso marido a viajar com ela até este retiro já pode ser considerado uma grande vitória, mas o verdadeiro desafio para ambos será mesmo porem de parte as suas desavenças matrimoniais e tentarem reacender a chama que os levou a apaixonarem-se um pelo outro na primeira vez.


Recheado de cenas tocantes e momentos divertidos, “Hope Springs” oferece-nos uma história leve mas muito interessante que enfrenta, muito diretamente e sem tabus, uma série de tradicionais dificuldades emocionais e sexuais que muitas vezes ditam o afastamento dos casais, novos ou velhos, cujo outrora forte amor foi sendo diluído pela rotina e pelo inevitável passar dos anos. Meryl Streep e Tommy Lee Jones dão vida, com muito carisma e emoção, a um desses conformados casais que, ao contrário da vasta maioria dos casos reais, decide lutar contra a rotina para assim recuperar o amor que os uniu há muitos anos atrás. Esta divertida e enternecedora batalha romântica de Kay e Arnold contra a ausência de intimidade é baseada em muitos casos reais mas é, como é óbvio, desenvolvida com recurso à ficção e à ilusão holywoodiana dos finais felizes, mas consegue ainda assim ser bastante reconfortante e animadora, já que incentiva qualquer pessoa que tenha problemas semelhantes a lutar por um final feliz real. É por isso que este filme tem tudo para fazer as delícias dos mais velhos que se poderão rever na relação dos intervenientes centrais, mas também deverá entusiasmar e interessar aos mais novos, que se poderão identificar com o progressivo afastamento romântico e sexual entre um homem e uma mulher que costumavam irradiar amor e romance. Para além de abordar uma bela história de amor sobre a fé no triunfo do romance, “Hope Springs” também é abrilhantado por várias sequências humorísticas que se focam, quase sempre, no mal-estar provocado pela falta de intimidade entre os dois protagonistas, que têm que dividir uma boa porção do tempo de antena com o terapeuta Bernie Feld, que é interpretado pelo sempre divertido Steve Carell. O sucesso desta comédia romântica não está só relacionado com o seu elenco e enredo, mas também com o seu realizador, David Frankel, que pegou no grande argumento de Vanessa Taylor e transformou-o num filme muito agradável e gracioso que não depende de truques baratos e clichés gastos para entreter o espetador. 

Classificação – 4 Estrelas Em 5

0 comentários:

Enviar um comentário

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial