Crítica - 47 Ronin (2013)

Realizado por Carl Rinsch 
Com Keanu Reeves, Tadanobu Asano, Rinko Kikuchi, Hiroyuki Sanada 

Há um antigo ditado que diz que há males que vêm por bem, pois bem, os produtores desta malograda pérola chamada ”47 Ronin” nunca devem sequer ter ouvido falar deste ditado popular, porque se o conhecessem aposto que teriam optado por cancelar este projeto numa das múltiplas vezes que o pensaram em fazer e, para ser franco, acredito que este pensamento deves-lhes ter passado pela cabeça muitas vezes ao longo dos sete longos anos que este projeto teve em produção, mas infelizmente nunca aproveitaram estas várias oportunidades para o fazer, muito pelo contrário, tentaram sempre ultrapassar com o máximo de teimosia possível todos os graves problemas que afetaram o seu moroso processo de produção que, entre outras coisas, foi completamente abalroado por atrasos nas filmagens, desistências inesperadas e inacreditáveis problemas burocráticos que, sem surpresa, atrasaram em quase quatro anos o lançamento deste já comprovado fracasso, que apesar de ter sido um dos poucos blockbusters live-action que foram lançados durante a época natalícia, conseguiu a sempre difícil proeza de entrar diretamente para as listas dos piores filmes e dos principais flops comerciais do ano.

 

Se calhar pensam que estou a exagerar, mas é preciso ver para comprovar o colossal desastre que é este filme de Carl Rinsch, que consegue destruir de uma assentada o espírito artístico dos filmes japoneses e o espírito comercial dos filmes hollywoodianos, que em “47 Ronin” são objeto de um cruzamento injusto e indigno para ambos. Embora não esteja propriamente mal feito, torna-se penosamente evidente que “47 Ronin” nunca rentabiliza ao máximo o seu orçamento de quase duzentos milhões de dólares em questões técnicas, já que toda a sua componente estética tem sempre um ar deslavado e reciclado que não enobrece em nada as sequências de ação/ aventura e o suposto espírito bélico e fantasioso deste pseudo-épico, que no entanto acaba por ter a sua grande falha no seu guião unidimensional, que segue a jornada de Kai (Keanu Reeves) e de um bando de 47 samurais sem líder que prometem vingança contra os seus rivais para assim restaurarem a honra do seu povo, sendo por isso que partem numa cruzada cheia de perigos selvagens que envolvem bestas míticas, bruxarias e ameaças assombrosas. Para além de ser chato e cansativo, o enredo de “47 Ronin” também sofre de uma clara falta de direção e ambição, que como é óbvio leva este projeto demasiado extenso e tedioso a resvalar fortemente para um terreno vazio e oco sem nenhum interesse ou entretenimento. É possível acreditar que numa fase muito inicial, “47 Ronin” tinha potencial para ser um bom filme cheio de boas intenções, mas todo este aparente potencial esfumou-se sem qualquer chance de salvação graças a vários problemas de produção e à imponente falta de imaginação que assolou todos os responsáveis por este degradante produto que, no final de contas, não passa de um longuíssimo desperdício de dinheiro que, no máximo, provocará bocejos a quem o veja. 

 Classificação – 1 Estrela em 5

27 comentários:

  1. vamos lá ver se é assim tão mau..Moonrise kingdom apesar de não ter nada a ver achei terrivel e aborrecido, e no final acabou por ganhar vvários prémios...enfim

    ResponderEliminar
  2. Esse é o problema de quem vai ver filmes com Expectativas demasiado altas.
    Pelo contrário, nem queria ir ver o filme, e tinha expectativas muito baixas apesar da participação do Keanu.
    Foi uma agradavel surpresa. Filme interessante e envolvente. Não é uma obra de Arte....mas é um bom filme.
    Para mim um bom filme, é aquele que me deixa a "matutar" pelo menos por um dia depois de o ver, e este, inclusivé fez-me pesquisar para saber mais e melhor a história destes 47 Ronin.

    ResponderEliminar
  3. O cinema de hoje em dia esta com a fasquia MUITO elevada, e cada vez mais as pessoas querem ver bonito e bom ao mesmo tempo, mas nem todo os filmes agradam a 1ª vista, por vezes é preciso ver 2 e 3 vezes para se gostar! Um filme de exemplo é o "Equilibrium", ao principio uma historia confusa, lutas sem nexo, mas apos ver 2 e 3 vez realizamos que é na verdade um filme inteligente e bem construido, pegando na razão que o que realmente torna o Homem violento é as emoções a que estamos espostos todos os dias (raiva, angustia, ciúme, vergonha, ganancia, inveja), tudo isto é sinónimo de violencia! Concluindo, vejam para la do filme, percebam a historia e apreciem o dinheiro que gastaram no bilhete!

    ResponderEliminar
  4. É um lixo mesmo. Filme chato demais

    ResponderEliminar
  5. Filme muito bom! Apesar de nao ter conhecimento nenhum na área.... Filme mt bom, abriu minha curiosidade sobre bm os 47 ronin.... Mt bom

    ResponderEliminar
  6. Péssimo esse filme, enredo chato e cansativo, as coreografias das lutas com espada deixam muito a desejar. Sem contar os seres sobrenaturais (bruxas, ogros, e homens com cara de periquito) que nada têm haver com filme sobre samurais ou cultura japonesa.

    ResponderEliminar
  7. Colocam um cara que só gosta de comédia romântica para criticar um filme deste, só pode resultar neste tipo de avaliação. Lamentável.

    ResponderEliminar
  8. Crítica de filmes é muito relativo. Se me colocarem para avaliar uma comédia romântica, seria difícil porque não gosto deste tipo de filme, mas há muitos que adoram e eu deveria respeitar e considerar este ponto. A crítica do Sr.João foi lamentável, pois é claro seu avesso pessoal a este tipo de segmento. O filme a que se destina é bom, nada incrível, mas não chega a ser um ingresso jogado fora.

    ResponderEliminar
  9. Moonrise Kingdom...foi excelente...

    ResponderEliminar
  10. Desculpe-me o autor desta critica, entretanto, acabei de assistir o filme em comento e com meu olhar simples de espectador, gostei muito, me emocionei com a historia, com as atuações, só acho que ao final um mar de lagrimas e de emoção me tomou, foi lindo.. Recomendo(como mero espectador).

    ResponderEliminar
  11. achei o filme muito legal, crítico fracassado,como sempre

    ResponderEliminar
  12. O filme tem por base uma lenda japonesa, obedeceu bem o enredo; faltou estudo e conhecimento do crítico, tanto histórico, como folclore oriental, pessoalmente foi a pior crítica que li.

    ResponderEliminar
  13. Critica de um lixo q assistr filme pra ver so o q interessa e nao o que a historia quer mostrar.

    Antes de criticar algo deve-se entender a fundo, coisa q o lixo ai nao deve nem saber 10% da historia dos ronins.

    Lixo de critico
    Lixo de crotica

    Filme excelente!!!

    ResponderEliminar
  14. quase a maioria dos críticos são uns fracassados!!!

    ResponderEliminar
  15. Creio que há um pouco de exagero na exasperação sobre o filme.
    Como disse alguém, colocou-me para pensar um pouco, procurar algo sobre...

    Abraços.

    ResponderEliminar
  16. Excelente filme. Gostei muito. Ainda bem que não levo em consideração a crítica para decidir se vejo ou não um filme.

    ResponderEliminar
  17. Esse filme poderia ser melhor do que apresentou, fiz alguns comentários sobre ele em meu site, se tiverem interesse: www.kaboonfilmes.com.br

    ResponderEliminar
  18. A critica foi perfeita, realmente o filme tinha todo um contexto para ser muito bom, porem não souberam explorar a historia e resultou nisso ai. Isso poderia se chamar de um resumo de filme pois os acontecimentos passam rápido demais e vc nem consegue se apegar aos personagens ficaram muitas lacunas não gostei...

    ResponderEliminar
  19. O critico aqui se mostra um complete imbecil sobre cultura japonesa. Saia da sua bolha de romancismo japones, e volte seus olhos para o codigo de honra. Se voce for avaliar igual aos seus filminhos de romance, realmente o filme e uma bosta. Mas como um filme de acao, que engloba toda a fauna cultural japonesa, criando uma atmosfera voltada para a honra, sim, o filme e excelente.

    Senhor critico, passe a considerar os acontecimentos do filme com outros olhos:
    A bruxa = mal inesperado que ninguem sabe como lidar
    A morte do Lorde = ponto onde os samurais saem de sua zona de conforto
    A busca de Kai pelas espadas = reflexao interna, para verificar o que realmente e importante
    As novas espadas = a conviccao necessaria para enfrentar seus problemas
    A habilidade de kai de se "teleportar" = o esforco sobre-humano que as vezes nos e exigido em certas ocasioes de nossa vida.

    senhor critico fracassado, leia historia, e avalie o filme pelo ramo cultural: o japao e um pais sedento de toque. as pessoas nem apertam nas maos. amores sao sempre explosivos, sao sempre impulsionados a fazer suas vontades, mas o codigo de honra SEMPRE fala mais alto.

    Perdoe as falhas do portugues, estou digitando em um teclado americano e nao acredito que voce calha uma revisao de texto.

    ResponderEliminar
  20. esse filme é um lixo mesmo, nao chega nem aos pes do que foi a verdadeira historia dos 47 ronins! o filme q mais se assemelha foi o de 1994! podem pesquisar q vcs verao! Nem sequer aguentei assistir ate o final de tao chato que é! dai parei, pesquisei um pouco e descobri esse filme de 94 e assisti um trailer! nada melhor q os proprios japoneses pra nos contar essa historia a moda da casa! confiram
    https://www.youtube.com/watch?v=jlTTZTR7AH8

    ResponderEliminar
  21. Se esse crítico usasse menos vírgulas e mais pontos finais em suas considerações eu até levaria em conta sua opinião sobre o filme. Ele me cansou, o filme não.

    ResponderEliminar

 

Crítica em Destaque

Crítica da Semana