Crítica - Teenage Mutant Ninja Turtles (2014)

Realizado por Jonathan Liebesman 
Com Megan Fox, Alan Ritchson, Jeremy Howard

A parceria entre Hollywood a as Tartarugas Ninja nunca produziu grandes resultados positivos. Na televisão e na banda desenhada, as Tartarugas Ninja sempre gozaram de um elevado sucesso graças a produtos de qualidade que conseguiram sempre reforçar o máximo potencial das espetaculares aventuras destas quatro tartarugas mutantes, com nomes de pintores renascentistas, que vivem nos esgotos de Nova Iorque e que adoram comer piza após combaterem o crime e salvarem assim a Cidade Que Nunca Dorme. A popularidade que as Tartarugas Ninja gozam um pouco por todo o mundo deve-se portanto, apenas e somente, a esses produtos mediáticos e não às versões cinematográficas das suas aventuras que, sem qualquer exceção, fracassaram sempre a todos os níveis junto do público e da crítica especializada. Esta nova adaptação cinematográfica das populares aventuras Tartarugas Ninja não foge à regra e também é um gigante fracasso cinematográfico, algo que já se adivinhava atendendo as versões passadas que, de certa forma, ajudaram a assombrar este novo produto, no entanto, o seu fracasso deve-se particularmente a um guião banal e aborrecido que não exalta nem entusiasma ninguém, mas também a uma componente técnica que fica muito àquem do que se esperava de um blockbuster desta dimensão. 


É certo que, nos primórdios da sua pré produção, "Teenage Mutant Ninja Turtles" ameaçava seguir por caminhos ridículos e contrários à génese dos desenhos animados ou da banda desenhada, já que Michael Bay, o produtor desta adaptação, queria reformular as origens das Tartarugas Ninja que, na sua ideia inicial, não deveriam ser Tartarugas Mutantes, mas sim Tartarugas Alienígenas. Este plano, felizmente, não chegou a concretizar-se, mas não se pode dizer que o resultado final seja mais positivo. É certo que é menos desastroso do que poderia ter sido, mas embora seja relativamente fiel às bases destes quatro heróis peculiares, nada nesta aventura cinematográfica é tão emocionante ou tão fiel à diversão e ao entusiasmo que sempre fizeram parte dos outros meios onde as Tartarugas Ninja proliferam. É portanto prudente não esperar muito desta pouco estilizada produção, ainda para mais se for um fã fiel das Tartarugas Ninja, porque certamente não vai gostar da falta de paixão, ritmo e engenho que domina a luta dos guerreiros Leonardo, Raphael, Donatello e Michelangelo e da jovem jornalista April O'Neil contra um dos grandes inimigos do franchise, o Shredder.
Entre pobres explicações contextuais, piadas sem graça, surpresas anunciadas e uma intriga sem qualquer chama ou valor, "Teenage Mutant Ninja Turtles" pouco faz para convencer ou entreter quem o veja em qualquer perspetiva. A junta a um guião banal e estupidamente enfadonho, há também que evidenciar o péssimo tratamento gráfico do filme. É porque não é só a péssima e polémica caracterização gráfica/ computorizada das Tartarugas Ninja que salta à vista de uma forma negativa e jocosa, porque todos os elementos visuais e sonoros que acompanham todo este produto e as suas pobres sequências de ação também ficam muito àquem de uma qualidade aceitável. O seu elenco também não convence. A principal estrela real deste projeto é Megan Fox, que veste aqui a pele de April O'Neil e que, estranhamente, acaba por ter mais destaque que as próprias Tartarugas Ninja, no entanto, as debilidades desta jovem atriz são notórias e, como é óbvio, a sua performance acaba por sofrer muito com isso. O restante elenco real peca também muito pela sua falta de garra ou espírito, nomeadamente o irritante Will Arnett, que dá ao já de si irritante Vern Fenwick um puxão de maior mediocridade. Estou certo que, um dia, Hollywood produzirá uma agradável adaptação cinematográfica das aventuras das Tartarugas Ninja, mas esse dia ainda não chegou, muito pelo contrário, "Teenage Mutant Ninja Turtles" pode até nem ser a pior versão cinematográfica da saga, mas é claramente um dos mais aborrecidos.

Classificação - 1,5 Estrelas em 5

3 comentários:

  1. O filme estreado em 1990 com a assinatura de Steve Barron é até à altura, a única adaptação decente das Tartarugas Ninja. Afirmar que fracassou em todos os niveis, não é verdade, teve um enorme impacto nas salas de cinema, o publicou delirou com a primeira aparência dos personagens no ecrã, e para os fãs do trabalho de Kevin Eastman e Peter Laird, o filme não desapontou, misturando um estilo negro e violento com momentos de humor. Se falhou perante a "critica especializada" não sei, perante os fãs dos comics e das séries de Tv, foi um sucesso.

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Obrigado Anónimo. Foi um lapso no título que foi sendo ignorado por todos. Agradeço o reparo. Cumprimentos

      Eliminar

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial