Crítica - 10 Cloverfield Lane (2016)

Realizado por Dan Trachtenberg
Com John Goodman, Mary Elizabeth Winstead, John Gallagher Jr.

Se há filme que puxa pela curiosidade prévia de qualquer um é "10 Cloverfield Lane", cuja estratégia de marketing em quase todo o planeta foi pautada por um elevado secretismo, suspense e curiosidade. Estamos afinal de contas a falar de um projeto que foi desenvolvido em segredo e que se apresenta ao mundo como o filme irmão de "Cloverfield", um popular e muito competente filme de monstros filmado em found footage que, em 2008, causou um grande alvoroço mediático precisamente por causa da onda de mistério que rodeou o seu lançamento. Embora, sabe-se agora, não seja uma sequela ou prequela direta dessa obra, "10 Cloverfield Lane" faz parte da mesma família cinematográfica idealizada, produzida e desenvolvida por J.J.Abrams que, como o próprio já admitiu, pretende com este universo desenvolver uma espécie de antologia de fantasia e ficção científica subordinada ao nome Cloverfield, mas composto por filmes cuja trama não esteja propriamente interligada pelo mesmo campo de fantasia.
Até ao seu aguardado lançamento nos Estados Unidos pouco se sabia sobre esta obra e muito se especulava sobre o seu conteúdo e relação com "Cloverfield". Esta especulação saudável, como já referi, foi promovida e exponenciada graças a uma campanha de marketing muito inteligente que vendeu muito bem o filme, como aliás já tinha sucedido com "Cloverfield" em 2008. Esta campanha perspicaz subordinada ao suspense não foi, contudo, replicada em Portugal, como aliás prova o polémico poster escolhido para representar e promover o filme que, inexplicavelmente, revela um importante detalhe da sua trama e aniquila de antemão boa parte do seu sentimento de suspense. É certo que vivemos numa era onde existe uma plenitude de websites e forums onde, após a estreia de qualquer filme em qualquer país, todo o enredo é revelado ao detalhe, incluído as surpresas. Por isso se diz que nenhum filme consegue efetivamente surpreender de antemão quem não quer ser surpreendido. Mas o que acontece a todos aqueles que evitam esses websites precisamente porque querem ser surpreendidos por um filme que prima pelo mistério e puxa precisamente pela surpresa?
O público português que, repito, queria ser surpreendido por um filme tão misterioso como "10 Cloverfield Lane" ficou assim privado do efeito surpresa por, simplesmente, ter olhado para um poster. É porque para além de desvendar de forma tão descarada o principal twist do filme, este elemento promocional coloca também um ponto final em qualquer especulação que poderia surgir relativamente à sua possivél ligação direta com "Cloverfield". É pena que assim seja, já que uma das maiores vantagens de "10 Cloverfield Lane" é precisamente a sua capacidade para apanhar o espectador numa teia de suspense que eventualmente leva a surpresas inesperadas. No caso específico português pode-se dizer que "10 Cloverfield Lane" já não causa tanto impacto porque sabe-se à partida quais surpresa são essas e em que contexto é que se inserem por via da sua premissa.



Esta explica-nos que "10 Cloverfield Lane" acompanha a história de uma jovem que, após sofrer um acidente de viação, acorda na cave da casa de um perfeito desconhecido. O homem diz-lhe que lhe salvou a vida quando a retirou do carro acidentado mesmo antes de um ataque químico que deixou o mundo inabitável. Por força deste evento, a jovem terá então que permanecer presa, por tempo indeterminado, nessa cave juntamente com o homem que supostamente a salvou e com outro jovem que também foi salvo pelo homem antes do suposto ataque químico, cuja autenticidade cria de imediato dúvidas na sua cabeça.
Esta premissa, que como já se sabe esconde várias surpresas, é desenvolvida num cenário sufocante  e num ambiente cheio de tensão. A maior parte dos eventos de "10 Cloverfield Lane" desenrola-se na  dita cave, onde os três intervenientes dão azo a uma trama repleta de jogos psicológicos e recheada por dúvidas e incertezas. Esta termina com um raide de ação e adrenalina que envolve também o principal twist deste projeto, já aqui abordado. Esta maior dose de ação e ficção cientifica contrasta, no entanto, com uma história que, até então, aparece mais subordinada à tensão humana. 
Embora o seu tão surpreendente twist seja arruinado pela revelação do poster, "10 Cloverfield Lane" promove ainda assim, até à sua parte final, uma história intrigante, sufocante e provocativa que se vê muito bem. É claro que o filme causa mais impacto se for visto sem conhecimentos prévios, mas mesmo sabendo-se de antemão as surpresas que esconde, "10 Cloverfield Lane" revela-se, ainda assim, uma boa surpresa que promove um bom entretenimento. Este acaba, no entanto, por ser radicalmente diferente do entretenimento oferecido pelo seu irmão mais velho "Cloverfield", que para todos os efeitos práticos é um filme radicalmente diferente que prima mais por um estilo de ação fiel aos blockbuster. Já este "10 Cloverfield Lane" prende-se um pouco mais a um estilo mais dramático que, apesar das obvias ramificações junto do reino da fantasia, acaba por ter uma maior maturidade e um  maior alcance humano.

Classificação - 3 Estrelas em 5 

2 comentários:

  1. "10 Cloverfield Lane": 5*

    "10 Cloverfield Lane" é até agora um dos filmes do ano, vi-o recentemente e é excelente.

    Cumprimentos, Frederico Daniel.

    ResponderEliminar
  2. Porra sempre a bater na mesma tecla , o texto todo a dizer o mesmo
    Cumprimentos

    ResponderEliminar

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial