O Guia Dos Principais Problemas e Falhas de Batman Vs Superman: Dawn of Justice!

É inegável que "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" atingiu um elevado sucesso comercial em todo o planeta, no entanto, esperava-se que o filme que junta, pela primeira vez na história do cinema, os populares heróis Batman e Super Homem no grande ecrã tivesse capacidade para conquistar um sucesso ainda maior. O que é certo é que, pese embora os seus lucros astronómicos, já se pode dizer com toda a certeza que "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" não será o filme mais rentável e mais visto de 2016, ficando também muito longe do TOP 10 dos filmes mais vistos e rentáveis de Hollywood. Estes dados são uma verdadeira desilusão. Antes da sua estreia nos Estados Unidos da América quase todos os especialistas esperavam que "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" conquistasse estes títulos com alguma facilidade por tudo aquilo que prometia. A verdade é que não conseguiu cumprir estas expectativas, tendo neste capítulo sido claramente derrotado pelos principais filmes da Marvel, nomeadamente os dois filmes do franchise "Os Vingadores". A esta relevante derrota comercial junta-se uma derrota mais acentuada, já que "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" falhou redondamente na hora de conquistar a imprensa e os especialistas, como provam os vários artigos e opinião francamente negativos expostas na imprensa mundial. Este défice qualitativo é reforçado pela sua avaliação francamente negativa nos sites Rotten Tomatoes e Metacritic que agregam as críticas dos principais meios de comunicação. O valor global presente nestes dois sites é francamente abaixo, sendo aliás um dos piores registados pelas sagas afetas a Batman e Super Homem. Quais são portanto as principais razões para este falhanço? 

1 - Um Claro Exagero Em Tudo

O grande culpado pelo falhanço de "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" é o exagero, nomeadamente a aposta infundada em elementos superficiais e irresponsáveis em todos os seus cantos e recantos. Já diz o velho ditado popular que tudo o que é em excesso faz mal ou é mau. Este filme é o melhor exemplo prático deste mesmo ditado no cinema. Já se esperava que os responsáveis por "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" apostassem no excesso e na exuberância em todos os aspectos, desde o técnico ao narrativo. As mega produções de super heróis são aliás pródigas em excessos, basta aliás recordar os ocos espetáculos de ação presentes nas retas finais dos filmes "Os Vingadores". Um certo excesso é portanto já bastante expectável neste género de filmes, mas "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" ultrapassa todos os limites.
Não se pode apenas criticar e atacar as suas sequências de ação e aventura desnecessariamente extensas e exacerbadas que nem sempre obedecem a um critério lógico. Também o seu argumento é afetado pelo vírus do excesso e da futilidade que mexe com a sua credibilidade e sentido. Para além da lógica não imperar em muitos momentos, também se pode críticar a forma apressada, leviana e repreensível como a sua trama é exposta e justificada. A culpa disto atribui-se ao excesso em personagens irrelevantes, melodramas inexplicáveis, eventos superficiais, heróis incompletos, rivalidades injustificadas e cenas discrepantes cheia de erros.

2 - Uma Rivalidade Mal Contada

Identificado o problema principal podemos aprofundar problemas secundários que derivam da maior crítica que se pode apontar ao filme. Um dos principais pontos negativos é a pseudo rivalidade entre Batman e Super Homem que dá, aliás, mote ao filme. Esta é profundamente injustificável e pobremente exposta. Os fundamentos para as preocupações da Humanidade para com o Super Homem são, desde logo, profundamente irrealistas. A base destas preocupações quase histéricas deriva essencialmente de uma campanha de mentiras, suposições e dúvidas que seriam facilmente esclarecidas e desmontadas por qualquer jornalista minimamente competente. O problema é que ninguém se preocupa em investigar ou apresentar factos, limitando-se apenas a crucificar de imediato o Super Homem. O mesmo aplica-se às razões histéricas para as preocupações que Bruce Wayne/Batman nutre em relação ao Super Homem, preocupações essas que são tão frágeis como o próprio filme e tão baratas como o aparente ódio que Wayne sente pelo Super Homem. Em nenhum momento, "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" consegue justificar adequadamente a rivalidade entre estes dois titãs que se destacam aparentemente pela sua inteligência, aniquilando desde logo qualquer espécie de inerência épica que a batalha entre ambos poderia ter.
Basta dissecar um pouco esta rivalidade para encontrar falhas graves. É por exemplo difícil de explicar como é que uma pessoa tão astuta como Bruce Wayne não descobre quem é o Super Homem antes de o enfrentar, nem sequer se preocupa, aliás, em tentar descobrir a verdade sobre o seu nemesis, como também é perfeitamente incompreensível o facto de Clark Kent/ Super Homem nunca ter ouvido falar do Batman, especialmente quando é um jornalista que trabalha no mesmo país onde fica Gotham, a cidade onde Batman combate o crime. A inocência e credulidade excessiva destas duas personagens vai completamente contra as suas próprias bases e mata desde logo uma rivalidade movida unicamente por histerismo indigno de dois senhores ponderados.
É ainda mais preocupante o facto de Bruce Wayne colocar tantos problemas à presença do Super Homem, sendo ele próprio um vigilante tão criticado pelo que faz e não faz. Isto apesar do seu passado e presente como Batman ser praticamente ignorado, já que, neste campo particular, "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" promove apenas breves indicações e teorias que, para um espectador pouco atento ao Universo Batman, deixam muito a desejar. A própria lógica de pensamento de Bruce Wayne é completamente contrária ao que se esperava. Esta nunca é aliás devidamente exposta com toda a clarividência, dando sempre a entender que as suas ações são motivadas por uma ação emocional que não se enquadra de todo na sua personalidade mais ponderada e próxima ao intelecto. As suas ideias pacifistas são também postas à prova com as suas ações violentas tão contraditórias ao seu estilo justiceiro. O mesmo se aplica em relação ao Super Homem, cuja construção pessoal está repleta de contradições relativamente ao que o Universo Super Homem vinha a defender.....

3 - O Vilão

O que liga uma péssima rivalidade? Um péssimo vilão. As razões capitalistas e psicóticas de Lex Luthor para instigar um confronto épico não são de todo evidentes, mas mais complexo é o seu plano para as concretizar. Este é tão contraditório que se torna virtualmente ilógico e inexplicável. Só mesmo Hollywood para tentar atribuir alguma lógica a um plano tão cheio de falhas que, teoricamente, duas pessoas tão inteligentes como Wayne e Klent deveriam ter desmascarado com uma maior facilidade. A presença do Doomsday na parte final do filme é também desnecessária se atendermos apenas aos parâmetros de manipulação que aparentemente motivam a rivalidade entre os dois heróis. É certo que a presença deste monstro vem dar uma dinâmica mais física à luta do Bem vs Mal, até porque Luthor nunca teve poder e potencial para se tornar no único real vilão da história, já que nunca teria capacidade de enfrentar diretamente qualquer um dos heróis. O problema com esta ideia mais física é que coloca "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" num patamar de contradição objetiva relativamente às ideias mais intelectuais de Luthor. Nota-se que neste ponto esta obra foi vítima da sua superficial necessidade em dar espetáculo, tendo, por isso, sentido a estranha necessidade de incluir de forma apressada e pobremente justificada um novo inimigo numa equação já deficitária que sai prejudicada com a trivialização do mal. Se até esse ponto o mal assentava numa ideia psicológica mais direcionada para a manipulação, a partir da entrada do monstro em cena, "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" tornou-se bem mais banal e violento. É claro que tal ideia psicológica é errónea, mas já lá vamos. 
Ao longo de "Batman Vs Superman: Dawn of Justice", Luthor é nos vendido como um vilão inteligente, mas os factos não apoiam esta promoção. O seu plano tem tantas falhas que qualquer pessoa chegaria facilmente às suas motivações maléficas. Menos se compreende ainda como é que não há nenhum político honesto ou jornalista curioso que dá um murro na mesa e desmascara o vilão. O conjunto das ações que Luthor promove para chegar ao seu objetivo são também inexplicáveis, aliás torna-se evidente pelo seu poder junto do Governo que Luthor poderia ter acabado facilmente com o Super Homem pela via jurídica, daí a sua aposta numa batalha entre Batman e Super Homem não fazer qualquer sentido.
O seu plano baseou-se portanto na sorte e não na astúcia, mas o filme passa uma imagem completamente diferente, imagem essa que é apoiada pela ideia psicótica e pseudo inteligente que nos transmite de um vilão que, verdade seja dita, pouca influência tem na prática na rivalidade Batman Vs Superman. O próprio evento que motiva o ódio da Humanidade contra o Super Homem resulta de um acaso de sorte, já que bastava alguém investigar para libertar o Super Homem do peso da opinião pública....

4 - A Mulher Maravilha

A presença da Mulher Maravilha em "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" só tem duas finalidades: 1) Preparar o filme da Liga da Justiça e 2) Incluir de forma quase gratuita uma forma descarada de sex appeal feminino. Esta heroína nada acrescenta ao filme. A sua presença, aliás, envolve mais perguntas do que respostas, tal como as suas ações. A ideia que nos transmite é a de uma personagem feminina oca que, por exemplo, leva uma abada de Louis Lane no que toca a um importância mais feminista e humanista no seio da trama. Não é de todo uma personagem forte ou relevante. A sua presença não afeta em nada o desfecho do filme, mas mais grave é o facto da sua justificação para a sua presença no filme não fazer qualquer sentido. É nos dado a entender que a Mulher Maravilha se expõem ao mundo para recuperar algo que a iria expor ao mundo. Isto faz sentido? É claro que não, mas "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" faz questão de enterrar esta e outras perguntas lógicas sobre esta personagem num conjunto de excessos que é mascarado por lutas sem sentido perpetradas por outras personagens.

5 - Erros Ridículos

Tal como já referi existem muitos erros óbvios de lógica em "Batman Vs Superman: Dawn of Justice". Entre as falhas do plano de Lex Luthor, a inexplicável justificação para a presença da Mulher Maravilha e as igualmente inexplicáveis falhas de lógica nas atitudes, pensamentos e razões de Batman e Super Homem durante a sua curta rivalidade existem muitos outros erros crassos. Entre eles está um dos momentos mais melodramáticos do filme. Quando Batman está prestas a matar o Super Homem, este diz simplesmente "Martha" e impede um até então decidido Batman de o matar porque pensa que o Super Homem se está a referir à sua mãe, quando na verdade se estava a referir a Martha Kent. Nada nas suas atitudes, até esse ponto, evidenciavam que Batman queria ou poderia poupar a vida do Super Homem. O Homem Morcego é alias sempre muito verbal relativamente às suas ideias de exterminar o Super Homem para salvar a Humanidade. Seria de esperar portanto que não fraquejasse perante tal momento tão melodramático, especialmente sendo Bruce Wayne uma personagem bastante fria. Wayne deveria ter por isso morto o Super Homem, mas não é que Batman recua e ainda é convencido por Louis Lane a poupar a sua vida? Este é outro problema. Como é que Louis Lane soube o que o Super Homem disse antes de intervir quando nem sequer estava perto dos heróis? 
Várias outras perguntas se levantam. Nunca é explicado como é que um Super Homem vulnerável a Kryptonite consegue pegar numa arma feita de Kryptonite para matar Doomsyday, mais ainda como é que a mesma arma que quase matou o Super Homem não o enfraquece quando este decide pegar nela para a usar num ato heróico? E já agora, como é que Louis Lane descobre que a Kryptonite é também uma fraqueza de Doomsday? Tais como estas levantam-se outras perguntas mascaradas de falhas que não ajudam a imagem de "Batman Vs Superman: Dawn of Justice", por exemplo, qual é a real lógica da ténue apresentação do Joker no Universo Batman? E, já agora, porque é que o Batman lhe poupou a vida quando estava pronto para matar um muito menos violento Super Homem? Tamb´
em se questiona porque é que o Batman se dá ao trabalho de usar simples armas contra o Super Homem, quando fica provado no final que o poderia ter derrotado com um plano mais ligado à astúcia? Como é que Bruce Wayne é manipulado tão facilmente? Porque é que o Super Homem não acaba logo à partida com a rivalidade? Como é que umas vezes o Super Homem apresenta uma audição sublime, mas noutras ocasiões parece não conseguir ouvir o som mais básico? Como é que Bruce Wayne conhece tão bem o Lex Luthor, mas não desconfia das suas intenções malévolas? Estão a reparar num padrão de erros e falhas de lógica? Precisamente....

6 - O Final

Embora fiel à banda desenhada, o final de "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" é ridículo....Mas alguém acredita mesmo que o Super Homem morreu quando existe um franchise inteiro dependente dele? A suposta morte do Super Homem num dos primeiros filmes do seu novo Universo não faz qualquer sentido, nem sequer inspira qualquer onda de surpresa ou suspense. É porque ninguém neste planeta acredita que o Super Homem não vai aparecer nos próximos filmes da Liga da Justiça, aliás o próprio filme faz questão de estragar a sua própria surpresa ao dar claramente a entender que o Super Homem não morreu. Então porque apostar neste final? Pelo simples melodrama que nada acrescenta ao filme, muito pelo contrário, até insulta a inteligência do espectador. Não digo que o final mais previsível, onde o Batman e o Super Homem caminhariam juntos em direção ao por do sol fosse extremamente banal, porque realmente seria, mas ainda assim seria bem mais lógico e competente do que um final cliffhanger que de clifhanger não tem nada.

7 - As Sequências de Sonho

Se há sequências em "Batman Vs Superman: Dawn of Justice" que não fazem sentido nenhum são as sequências dos sonhos. Para além de inúteis são aborrecidas. Não têm uma função lógica e só contribuem para a descredibilização emocional do Super Homem e do Batman. São uma artimanha barata e oca que tenta, sem sucesso, mostrar um lado mais humano e fraco dos dois heróis. Estas sequências não tinham por isso qualquer lugar nesta obra, aliás não tem lugar em lado nenhum....

2 comentários:

  1. Mais triste que perder tempo a ver o filme é perder tempo a escrever um guia dos problemas e falhas do filme...

    ResponderEliminar
  2. SPOILERS!!!

    A sequência de sonho com o pai do Super-Homem, por exemplo, foi relevante. O Super-Homem estava a enfrentar um dilema por causa dos danos colaterais do seu heroísmo, o que levou o seu pai a contar uma história do seu passado que o fez encontrar uma nova perspectiva. Parece-me perfeitamente legítimo.

    Os meus problemas com este filme foram quase todos fruto de certas personagens saberem informação que não teriam forma de conhecer. Tirando isso, a "Liga da Justiça" também foi apresentada de uma forma apressada e desinteressante, especialmente quando o universo da Marvel já vai tão à frente.

    ResponderEliminar

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial