Crítica - Sx_Tape (2014)

Realizado por Bernard Rose
Com Caitlyn Folley, Ian Duncan, Diana García

Um título provocante, mas um produto completamente vazio. Nada mais se pode dizer sobre "Sx_Tape", cuja história segue um casal que, após fazer uma sex tape (vídeo caseiro de sexo) num hospício abandonado, é atormentado por um espírito de uma antiga paciente que acaba por possuir o membro do sexo feminino do casal que, em jeito de apontamento pessoal, até nem é mal interpretada pela sensual e pouco conhecida Caitlyn Folley. Haveria um conjunto de potencialidades e possibilidades positivas perante uma premissa tão curiosa como esta, como por exemplo o aproveitamento do sexo gratuito e da provocação para desenvolver uma história macabra de fantasmas ou demónios, como por exemplo o aclamado "It Follows" (2014) fez. No entanto, "Sx_Tape" nada aproveita nem potencializa. 
O que acaba por nos ser apresentado é um péssimo filme found footage de terror sem pingo de suspense, terror, ação, violência ou até gratuidade. O único ponto com um certo potencial para ficar na retina do espectador que se lhe pode destacar é uma sequência final que mistura gore, sexo e provocação e que, de certa forma, acaba por nos dar um pequeno vislumbre do que "Sx_Tape" poderia ter sido caso tivesse seguido um rumo bem mais provocante e imaginativo. Por isso, "Sx_Tape" não é de todo um bom filme. É um péssimo exemplo do género que junta terror e sexo, mas acima de tudo é uma produção que foi muito mal pensada. 

Classificação - 1 Estrela em 5

0 comentários:

Enviar um comentário

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial