Especial Necrofilia: Crítica - Nina Forever (2015)

Realizado por Ben  Chris Blaine
Com Cian Barry, Abigail Hardingham, Fiona O’Shaugnessy
Género - Terror

Sinopse - Holly está apaixonada. Perdeu-se de amores por Rob, que carrega uma nuvem negra de morte e desespero para onde quer que vá. Os amigos avisam-na; ele tornou-se uma tragédia ambulante desde que a namorada, Nina, morreu num acidente de viação há um ano e meio. Mas Holly, uma médica estagiária, está determinada em fazê-lo feliz outra vez. Eles começam uma relação e da primeira vez que dormem juntos, Nina surge debaixo dos lençóis ensanguentada, cadavérica, mas real. Contudo, Holly não foge, está habituada a lidar com mortos.

Crítica - Ao contrário de "The Corpse of Anna Fritz" ou de qualquer outro filme que aproveite com seriedade o tema da necrofilia, "Nina Forever" é um produto bem mais simples e simpático. Pensado como uma comédia romântica de terror, "Nina Forever" não choca ou intimida o espectador com sequências explícitas, abusivas ou gratificantes, mas embora não seja um produto hardcore não é, ainda assim um mar de rosas. O polémico tema da necrofilia é suavizado e disfarçado pela temática sobrenatural que, para todos os efeitos, impede que "Nina Forever" seja um verdadeiro filme de necrofilia, já que Nina é para todos os efeitos práticos um zombie e não um mero corpo sem vida.
Esta diferença pode parecer insignificante, tendo especialmente em conta que o filme explora um romance tripartido entre humanos e esse zombie, mas parecendo que não retira muita polémica e choque à sua trama, até porque nos dias que correm os zombies são banais e este não é o primeiro filme a apostar num romance entre Humanos e Zombies. 
Esta suavização ajuda "Nina Forever" a tornar-se mais comercial e até divertido de se ver, pelo menos nas partes mais surreais. Isto favorece-o e não o diminui. É claro que "Nina Forever" acaba por não ser tão extravagante e impressionante como se poderia pensar, mas polémicas e sequências sexuais à parte, na sua base está uma intriga de romance e obsessão competente que apresenta potencial para entreter. Pelo meio há ainda um apelativo sentido de humor macabro que completa muito bem uma história romântica psicótica e inesperada, história essa que causa ainda mais impacto porque passa por cima dos padrões de normalidade e é desenvolvida com equilíbrio e prazer pelos promissores Irmãos Blaine.

Classificação - 3,5 Estrelas em 5

0 comentários:

Enviar um comentário

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial