E Agora Para Algo Completamente Diferente: Analise Crítica/Turística a Sevilha (Espanha)

A bela cidade de Sevilha, a capital da região da Andaluzia e uma das mais antigas cidades de Espanha, é um dos mais interessantes sítios metropolitanos a visitar em Espanha, sendo por muitos considerada a cidade mais interessante do Sul de Espanha. A sua importância económica em Espanha não rivaliza com a das duas maiores cidades do país, Madrid e Barcelona, mas culturalmente, Sevilha é um dos sítios mais ricos do país e um ponto de visita obrigatório para qualquer apreciador da cultura espanhola. 
Situada no centro da Andaluzia, Sevilha é banhada pelo Rio Guadalquivir, um dos principais rios de Espanha. É junto a este rio que se encontra o Porto de Sevilha, um dos maiores portos de água doce da Europa e, de certa forma, o principal motor económico da cidade e de toda a região. A cidade é também servida por um aeroporto, o San Pablo Airport, que é o segundo maior da região, e também por um vasto conjunto de estradas que ligam a cidade aos principais pontos de Espanha. Embora seja fácil de chegar a Sevilha por ar, água ou terra, a viagem desde Portugal de qualquer uma das formas não é propriamente barata. Ao contrário do que acontece com Madrid ou Barcelona não é muito barato viajar de avião de Portugal para Sevilha, seja em época alta ou baixa. Os vôos diretos desde Lisboa ou do Porto são muito raros e os que existem são bastante caros, rondando a média de 350 Euros por pessoa ida e volta. Há vôos com escalas mais baratos, mas o tempo perdido na viagem não compensa de todo o trabalho. Há mais vôos diretos e mais baratos por companhias low cost desde o Aeroporto de Faro, mas mesmo estes custam em média 200 Euros, ida e volta, por pessoa. Os preços da viagem de barco também são muito mais caros e assustam, já que são poucos os barcos Cruzeiro que passam por Sevilha, apesar desta ser uma das poucas cidades europeias sem porto marítimo com capacidade para os receber. A alternativa mais barata para visitar Sevilha é, por incrível que pareça, ir de carro ou camioneta. Embora os valores também sejam puxados, acaba por se tornar mais barato e confortável optar por uma viagem de carro até Sevilha, especialmente se residir na zona Sul de Portugal. Se não tiver carro, então opte pela camioneta, pese embora este meio de transporte ser muito mais desconfortável. É muito fácil de chegar à cidade por via das estradas que cruzam o Sul de Espanha e, se viver por exemplo em Lisboa, chegará ao seu destino em cerca de cinco hora, quase duas horas a mais do que demora, por exemplo, uma viagem desde o mesmo destino até Madrid.
E quando deve optar por visitar Sevilha? Há uma época do ano em que um passeio turístico a Sevilha é praticamente proibitivo devido às temperaturas e à clara falta de aptidão turística para lidar com os problemas criados por ela. Falo claro está do Verão. A cidade, devido a sua localização, é muito seca e extremamente abafada com poucas soluções naturais de hidratação ou refrescamento. Embora seja banhada pelo Rio Guadalquivir, os cursos de água não abundam por aqui, assim como as praias fluviais ou as piscinas naturais ou artificiais. Por se situar numa zona bastante rasa e interior, também raramente corre pela cidade uma aragem refrescante durante o Verão. As aragens que correm são quente e quase que fazem lembrar os perigosos ventos dos desertos. A isto junta-se uma temperatura infernal. Entre os meses de Maio e Setembro, as temperaturas médias na cidade chegam a atingir os 40 Graus e, no pico do Verão, as temperaturas máximas rondam sempre os 50 Graus. Não é à toa que Sevilha é considerada a cidade mais quente da Europa. Por estas razõee não é encarado como um local ideal para passar as denominadas Férias de Verão, aliás a própria cidade não está vocacionada para esta orientação turística. A ausência de praias, piscinas e condições para lidar com o calor abusivo tornam-na portanto um destino a evitar no Verão, especialmente quando nas suas redondezas ficam outras cidades importantes com melhores condições nesta área especifica, nomeadamente Málaga ou Cádiz. 
A altura ideal para visitar Sevilha é no Outono ou então no início da Primavera. As temperaturas são bem mais amenas e permitem um maior aproveitamento do melhor que a cidade tem para oferecer, ou seja, a sua história. É no fundo este o seu principal ponto turístico e a sua maior mais valia. O seu centro histórico é muito pitoresco e um dos mais belos de Espanha, sendo que a cidade, na sua parte mais moderna, tem também outras delícias para oferecer.

A Cidade


É precisamente na Cidade Velha, que por sinal é Património da Unesco, que estão localizados vários pontos de interesse de Sevilha. Esta fica no centro da cidade e é onde assenta a Catedral de Santa María de la Sede, mais conhecida como a Catedral de Sevilha. Construída em 1507 é uma das Catedrais mais antigas da Europa e, por entre vários pontos de interesse, destaca-se por ser o local onde o famoso explorador Cristóvão Colombo está sepultado. A catedral em si é belíssima, sendo, para mim, uma das mais belas da Europa. É também uma das maiores catedrais do mundo. A sua imponência arquitetónica é um exemplo clássico do popular estilo gótico clássico. Entre os seus principais elementos de destaque há que realçar, por exemplo, as suas majestosas quinze portas que estão espalhadas pelas quatro fachadas da Catedral. Estas portas são todas diferentes e estão carregadas de simbolismo religioso, já que cada uma representa uma história/visão diferente. Vale por isso a pena admirar, ao pormenor, todos os cantos deste belo edifício que está repleto de segredos.
Perto da Catedral fica a segunda maior zona verde do centro da cidade, onde está localizado o famoso Real Alcázar de Sevilha, outro dos pontos centrais da cidade. Famoso pela sua beleza e por já ter servido de cenário a muitas séries e filmes, como "Game of Thrones", o Real Alcázar é um dos pontos icónicos de Sevilha e do Sul de Espanha, já que ilustra na perfeição o cruzamento entre a Europa e o Médio Oriente. Já a maior zona verde da cidade, o Parque de Maria Luísa, fica mais a sul do Real Alcazar e conta com a presença do Museu Arqueológico, do Aquário e da Praça de Espanha. Esta última é um edifício a não perder, até porque para mim é uma das praças mais bonitas do país pela sua localização idílica entre o verde do parque e, claro está, pela sua imponência arquitétonica.
Entre outros pontos de interesse destaque para a Torre del Oro, o edifício mais antigo da cidade que remonta ao Século XVIII. Esta antiga torre de vigia com vista privilegiada para o Rio Guadalquivir é um monumento histórico e, apesar de não se tão imponente como o Real Alcázar ou a Catedral, é ainda assim um ponto de paragem obrigatório da cidade. Um pouco mais à frente fica a histórica Ponte Isabel II, aliás para visitar os dois locais tem que fazer uma caminhada pelo Passeio do Rio Guadalquivir, já que os dois monumentos ligam este caminho, mas atenção que, por não ter qualquer sombra, este passei deve ser feito nas horas de menor calor. à margem deste caminho fica também a Praça de Touros de Sevilha e sendo Sevilha uma das cidade que mais acolhe touradas, esta praça ganha uma especial atenção.
A juntar a estes pontos de interesse existem também, já nos arredores do centro histórico, outros edifícios históricos, como a Basílica da Marcarena ou o Museu do Castelo de São Jorge. Numa perspetiva mais moderna há que dar destaque ao Metropol Parasol, a maior estrutura de madeira da Europa que serve de cobertura a uma curiosa praça moderna também localizada fora do centro histórico de Sevilha.
Também afastado do centro histórico da cidade, mas já na parte norte da mesma, fica a Isla Mágica. Este parque de diversões foi construído no local onde se realizou a Expo 92 e destaca-se por ser o maior parque de diversões da Andaluzia. Pese embora não ser tão caro como os principais parques de diversões de Barcelona ou Madrid, a Isla Mágica não é nenhuma maravilha a não perder, mas se quiser passar um dia num parque temático agradável, então esta é uma boa opção.

A População

A população de Sevilha é muito hospitaleira e simpática. A cidade é, ela própria, muito convidativa em épocas de menor calor. Estamos a falar da terra das Sevilhanas, ou seja, uma terra de diversão e dança que se traduz, portanto, numa população bastante descontraída e afável. Por não ser uma cidade tão comercial como Barcelona ou Madrid, Sevilha destaca-se portanto como uma metrópole com uma menor azáfama nas ruas, aliás se a visitar no Verão reparará que entre as 13H e as 16h raramente encontrará pessoas na rua, seja fim de semana ou um dia de semana. Por não ser tão caótica, Sevilha tem portanto uma população mais descontraída e que recebe melhor os seus visitantes. 
A cidade é também servida por bons restaurantes. Tal como outras cidades espanholas, os restaurantes de tapas reinam por estes lados, mas os seus menus são mais específicos à região e apostam mais em produtos frios e até de inspiração africana ou árabe. O prato central de Sevilha é o gaspacho, a famosa sopa fria de tomate que é absolutamente imperdível nos dias mais quentes, mas que para saber bem tem que ser muito bem confeccionada. Não faltam restaurantes na cidade que sirvam esta e outras iguarias, como por exemplo o porco tipicamente andaluz que oferece um cruzamento entre os sabores do Mediterrâneo e do Oriente. A nível de preço, os restaurantes de Sevilha não são em média tão caros como os de Madrid, mas como em todas as cidades há uns mais caros que outros. A recomendação passa por fazer as refeições no centro histórico, onde se come melhor e com mais variedade. 
Tal como referi no início, a melhor forma de viajar até Sevilha é de carro, até porque a cidade não é muito caótica e é muito fácil de conduzir no seu centro. Se optar pelo carro aconselho também a descolar-se neste transporte durante a sua visita a cidade. Há muitos parques automóveis espalhados pelas principais zonas da cidade e, como já disse, não é muito complicado de conduzir em Sevilha. Esta é servida por metro e por autocarros, mas devido ao conforto que o carro oferece e à facilidade de condução citadina, estes meios de transporte alternativos acabam por não ser tão indispensáveis como em outras cidade.
Vamos então em contas. Uma boa visita a Sevilha pode ser feita num fim de semana, mas se for de carro perde sempre meio dia nas viagens, por isso se for nesta modalidade de viagem deve preferir visitar a cidade num fim de semana prolongado. Se for de carro e se optar por uma estadia num sítio com condições perto do centro da cidade, um fim de semana prolongado em Sevilha ficar-lhe-á em média por 150 Euros por pessoa, isto só a contar com as despensas de viagem e alojamento. Se for de avião este preço subirá, no mínimo, cerca de 100 Euros por pessoa. Em todo o caso é um preço  médio inferior aos de Madrid ou Barcelona.

O Melhor - A Cidade - É uma cidade pitoresca que resulta de um cruzamento perfeito entre a Europa e as Arábias. O seu Centro Histórico é muito bonito e é uma verdadeira maravilha passear pelas suas ruas e junto ao Rio Guadalquivir. A Praça de Espanha e o Real Alcázar são o exemplo perfeito do cruzamento enunciado e valem muito a pena visitar, até porque ficam no centro de zonas verdes com muita sombra para os dias mais quentes.

O Pior - O Clima - Visitar uma cidade sob um sol fortíssimo, sem vento e com uma temperatura máxima a rondar os 50 Graus não é, de todo, agradável. É precisamente este cenário infernal que pode esperar se visitar Sevilha no Verão. O clima agressivo que se faz sentir na cidade em, pelo menos, quatro meses do ano tornam-na pouco convidativa para esta época do ano e acabam por ser o seu pior cartão de visita.

0 comentários:

Enviar um comentário

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana

Membro Oficial

Membro Oficial