Pérolas Indie - These Final Hours (2013)

Realizado por Zak Hilditch 
Com Jessica De Gouw, Sarah Snook, Nathan Phillips 
Género - Thriller 

Sinopse - A doze horas do fim do mundo, James (Nathan Phillips) abandona os braços de uma mulher e atravessa uma cidade altamente criminosa para chegar a uma festa fenomenal, a grande festa do apocalipse onde espera encontrar-se com a sua namorada. Pelo caminho, acaba por salvar a vida de uma menina chamada Rose (Angourie Rice), que procura encontrar o seu pai a todo o custo antes que o tempo se esgote. À medida que o momento fatal se aproxima, James, agora detentor de uma nova responsabilidade, vê-se obrigado a repensar as suas prioridades.

Crítica - Passou em 2014 pelos Festivais de Cannes e Sitges, onde foi recebido com críticas positivas que impulsionaram o seu crédito de expectativas junto da comunidade cinéfila internacional, expetativas essas que se confirmam de forma instantânea com o visionamento desta pérola indie originária da Austrália. A trama de "The Final Hours" explora a história de redenção moral e dramática de um homem que, perante a iminência do inevitável apocalipse, vive um par de intensas horas que finalmente o levam a compreender o que é mais importante e aquilo que realmente tem que valorizar no pouco tempo que lhe resta. 
Esta mensagem é banal, sem qualquer dúvida, mas a forma como é transmitida ao espectador é que é digna de relevo. E tal abordagem é feita por intermédio de interessantes recursos dramáticos e emotivos que colocam em perspetiva a fragilidade da mente humana perante a inevitabilidade do fim da vida. É assim que ao longo do filme são nos apresentados vários cenários e situações que exprimem as opções que seriam mais comuns num cenário de final do mundo, opções essas que derivam das várias perspetivas com que as pessoas optam por lidar com as contrariedades, assim sendo, entre exemplos de suicídio, festa brava, criminalidade ou romance, "These Final Hours" consegue traçar um bom retrato de como a Humanidade enfrentaria o seu final e como este final muda quem o vive. É porque no meio de todos estes cenários está sempre o protagonista que, perante o seu passado e tudo o que o rodeia, vai seguindo um rumo de redenção e crescimento que, no final, leva-o a tomar a opção moralmente mais acertada, algo que origina uma conclusão esperada mas com um final positivo e explosivo. É por isso muito interessante seguir o desenrolar da história desta produção indie, onde o romance, o drama e a ação estão sempre em contacto e que, em conjunto, formam uma intriga apelativa que nunca cai em momentos parados e que agarra sempre o público a uma história bem desenvolvida e interessante que dá um twist diferente aos filmes apocalípticos.

Classificação - 3,5 Estrelas em 5

0 comentários:

Enviar um comentário

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial