Mais Recentes

Post Top Ad

Your Ad Spot

quinta-feira, junho 19, 2008

Crítica - La Habitación de Fermat (2007)

Realizado por Luis Piedrahita e Rodrigo Sopeña
Com Lluis Homar, Alejo Sauras, Elena Balasteros, Santi Miilián, Frederico Luppi

A comprovação de que todo o número par maior ou igual a 4 é a soma de 2 números primos como conjecturou Goldbach em 1742 não é certamente problema que atormente a maioria dos mortais, é no entanto em seu torno que se constrói a intriga de La Habitación de Fermat. Os actos de abnegação pela Humanidade podem ser puras manifestações de egoísmo, a especulação intelectual levada ao seu extremo pode ser perversa. Neste filme cinco matemáticos vêem as suas vidas cruzarem-se e serem ameaçadas devido à procura dos louros da solução da Conjectura de Goldbach. O mistério reinventa-se permanentemente até ao final graças à criação de algumas personagens de uma espessura muito convincente. Lembro-me, por exemplo, do mais velho dos quatro matemáticos (Hilbert/ Lluis Homar) presos naquela que certamente ficará conhecida como a sala das paredes que mexem insistir em colocar a acentuação correcta nas palavras gatafunhadas no quadro, quando todos procuravam resolver o mais rapidamente possivel os enigmas que lhes chegavam pelo ipod e de cuja solução dependia as suas vidas. É fabuloso como este simples gesto transmite a precisão de um velho matemático, a calma de quem sabe o que vai acontecer a seguir e em última análise a solução do mistério.
Fabuloso é também o espaço concebido, aliás os vários espaços apresentados são extremamente simbólicos. O rio permite a travessia do mundo das verdades incontestadas para o mundo das ideias e o seu regresso, o regresso à vida depois da passagem pela sala claustrofóbica e vermelha como o inferno do encerramento no próprio pensamento ao ponto de se perder a ligação à realidade. La Habitación de Fermat ganhou o Prémio Mèliés de Prata e do Prémio de Melhor Argumento da Secção Oficial de Cinema Fantástico do FantasPorto 2008.

Classificação - 4 Estrelas em 5

2 comentários:

  1. A Espanha deu um enorme salto de qualidade na produção dos seus filmes. Num curto espaço de Tempo já assistimos a um autêntico Boom de qualidade cinematográfica de Espanha, Roménia, Russia, França e Itália, já para não falar da estabilidade de qualidade do Reino Unido. Resta fazer a pergunta, enquanto os outros países europeus andam a fazer bom cinema, nós fazemos filmes como call girl e corrupção...e ainda por cima damos-lhes prémios???

    ResponderEliminar
  2. Ainda não tive oportunidade de o ver, estou á espera que apareça no blockbuster da minha zona contudo parece-me ser mais uma boa obra hispânica.

    ResponderEliminar

Post Top Ad

Your Ad Spot

Páginas