Mais Recentes

Post Top Ad

Your Ad Spot

segunda-feira, agosto 17, 2009

Crítica - Gladiator (2000)

Realizado por Ridley Scott
Com Russell Crowe, Joaquin Phoenix, Oliver Reed, Richard Harris

Em 2000, Ridley Scott surpreendeu o mundo da sétima arte com “Gladiator”, um épico histórico de grande qualidade que acabou por conquistar o Óscar de Melhor Filme, o principal prémio cinematográfico da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos da América. Com uma acção temporalmente localizada na época áurea do Império Romano, “Gladiator” acompanha a saga de Maximus (Russell Crowe), um sábio e intrépido general romano que, depois de vencer várias batalhas que contribuíram para a expansão territorial do Império Romano, pretende abandonar a frente de batalha para regressar a casa. Mas com a súbita e trágica morte do Imperador Marcus Aurelius (Richard Harris), que pretendia promove-lo a Imperador, Maximus é perseguido por Commodus (Joaquin Phoenix), o calculista e imprudente filho do falecido soberano. Depois de escapar à morte, Maximus regressa a casa, mas rapidamente descobre que durante a sua ausência, as forças romanas assassinaram a sua família. Desolado pela tragédia, acaba por ser capturado e posteriormente vendido como escravo a um velho e ambicioso gladiador que o leva até Roma para participar nos violentos jogos do Coliseu, fornecendo-lhe a oportunidade perfeita para executar uma tenebrosa vingança contra o verdadeiro assassino da sua mulher e do seu filho, o Imperador Commodus.


Dentro do estilo cinematográfico de “Ben-Hur” ou “Spartacus”, “Gladiator” apresenta-nos uma história recheada de elementos dramáticos e épicos que enaltecem um herói improvável, um homem outrora grandioso que perdeu tudo e todos mas que subitamente regressa para desafiar aquele que o traiu. O argumento relata uma autêntica saga de vingança e perseverança que culmina numa trágica e emotiva conclusão, que confere ao valoroso herói uma despedida digna e ao ganancioso vilão uma despedida humilhante. Os diálogos apelam ao epicismo e dramatismo da história, sempre poéticos e aguerridos, aclamam constantemente ideais de justiça e vingança que endurecem a narrativa.
Os diversos elementos históricos que compõem e completam a narrativa entrelaçam-se pacificamente com os elementos fictícios que representam uma grande maioria da história. O melhor exemplo desta situação é a ampla e vasta construção de relações pessoais entre personagens fictícias, como Maximus e personagens históricas como Commodus ou Marcus Aurelius. Esta ligação entre elementos históricos e elementos fictícios origina uma narrativa historicamente incorrecta mas substancialmente apelativa e, como não estamos perante uma biografia histórica, esta situação não prejudica o resultado final desta obra que desde inicio assume-se como uma produção fictícia. Os imponentes cenários e as magnânimes paisagens do filme surpreendem qualquer espectador. Os efeitos especiais utilizados transmitem ao público a grandiosidade e majestosidade de Roma e do Coliseu, mas também criam uma ilusão de realidade e proximidade com uma época tão distante no tempo mas que foi recriada na perfeição pela equipa técnica do filme.


A direcção de Ridley Scott é absolutamente irrepreensível. A capacidade técnica do cineasta é demonstrada em várias partes do filme, nomeadamente nas sequências de batalha do coliseu onde somos apresentados a magníficos espectáculos de luta, brilhantemente coreografados e captados. A banda sonora da autoria do icónico Hans Zimmer também merece uma pequena menção de apreciação, porque transmite profundidade a várias cenas importantes do filme.
O elenco é liderado por Russell Crowe, que nos oferece uma performance de qualidade que transmite na perfeição a raiva sentida pela personagem principal. O grande vilão da história é interpretado por Joaquin Phoenix, que nos apresenta uma prestação satisfatória e convincente. Destaque também para a última prestação cinematográfica de Oliver Reed (Proximo), que morreu durante a fase final das filmagens desta produção. Durante duas horas e meia somos transportados até à Roma Antiga por Ridley Scott, através deste competente e emocionante filme que merece todos os galardões cinematográficos conquistados. “Gladiator” é uma grande produção que merece toda a nossa atenção.

Classificação – 5 Estrelas Em 5

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Um dos melhores filmes que já vi até agora na minha curta vida, 25 anos, que com todo gosto repito a visualização deste épico filme.
    realização de um dos meus preferidos realizadores Sir Ridley Scott, protagonizado pro um dos meus preferidos actores Russell Crowe.
    Gladiador está para o cinema assim como combustível para um automóvel.

    O inicio característico de Sir Scott, mostra a mão de Maximus acompanhado pela fenomenal banda sonora ao cuidado de um não menos senhor que Hans Zimmer, absorve a nossa atenção para os acontecimentos que se irão desenrolar. O filme decorre historicamente durante as invasões dos bárbaros e a expansão do já vasto império romano ao cargo de um imperador cansado, Marco Aurélio que não vê em seu descendente seu sucessor a César, imperador. Tudo se complica quando o ganancioso aspirante a César, maravilhosamente interpretado por Joaquin Phoenix acelera o seu processo de ascensão de ascensão a imperador, governando um império corrompido e decadente em Roma. Não irei contar mais do filme, apenas dizer que Russell Crowe fez uma das melhores interpretações da sua vida e da história do cinema que lhe valeu o Óscar de melhor actor pelo seu papel.

    Um filme obrigatório para todos os amantes de cinema, se este não é o vosso género preferido de filme ... façam um esforço, pois no fim terão presenciado uma belíssima história e um extraordinário filme.

    5 estrelas em 5 (indiscutível!)

    ResponderEliminar
  3. Sem duvida ,um dos melhores filmes que já vi até hoje, mas com muita pena minha parece-me que já esta esquecido.
    Para quem nunca o viu aconselho vivamente que o veja, são 2:50m que valem a pena.

    Sem duvida 5*

    ResponderEliminar
  4. Torci mais pro Commodus do que o Maximo,que ficou se metendo ai,um baita de um fascista,ta certo que o commodus exagerou mas...

    ResponderEliminar
  5. O comentario anterior é ridiculo.Gladiator é simplesmente fantastico,realização,interpretação,fotografia e claro a banda sonora de Hans Zimmer e Lisa Gerrard.

    ResponderEliminar
  6. Fala sério: Hans Zimmer é um mito! O cara só faz trilhas sonoras perfeitas!

    Fora isso, a fotografia, evolução, roteiro e, principalmente, as atuações em Gladiador são sensacionais. Esse é um daqueles raros filmes que podemos dar nota 10 sem titubear.

    Esse ano Ridley Scott nos presenteou com outro épico, o filme Êxodo: Deuses e Reis. Ele também é muito bom e herdou diversas características de Gladiador, vocês perceberam?

    tem uma listinha marota com várias semelhanas entre as duas superproduções. Se alguém quiser conferir, fica a dica: cinemanos.com/exodo-deuses-e-reis-e-gladiadores-similaridades-epicas/

    Abraço!

    ResponderEliminar

Post Top Ad

Your Ad Spot

Páginas