Mais Recentes

Post Top Ad

Your Ad Spot

sexta-feira, agosto 28, 2009

Crítica - Inglourious Basterds (2009)

Realizado por Quentin Tarantino
Com Brad Pitt, Eli Roth, Diane Kruger, Mike Meyers, Michael Fassbender

"Inglourious Bastards" é o que os americanos tanto gostam de chamar "instant classic". Tarantino consegue fazer tudo aquilo que quer e gosta, sem cedências, e simultaneamente supera as expectativas dos seus fãs e cinéfilos por esse mundo fora. Para qualquer cinéfilo que se preze, mesmo não sendo fã da sua particular visão cinematográfica, este é inegavelmente um grande filme e um dos melhores de Tarantino, em que dá um passo adiante na estética singular comum a toda a sua filmografia .
Nesta espécie de conto/sonho de qualquer judeu, que sintomaticamente começa com um "Once upon a time", marcando a vertente absolutamente ficcional de toda a trama, Tarantino dá o mote para o que todos os filmes de "silly season" podiam e deviam ser: histórias bem contadas e estruturadas, acompanhadas de boas interpretações e melhores textos e com clássicos musicais a enquadrar as melhores cenas (porque há uma mão cheia delas, dignas de constar de qualquer história do cinema). Parece fácil, mas uma rápida passagem pelos cartazes das nossas salas de cinema e uma aventurosa ida a uma sessão confirma que não é bem assim. A mistura entre filme de guerra "spaguetti", comédia, acção e drama resulta perfeita. O resultado: entretenimento, puro e duro, como a época pede e todos nós gostamos.


Tarantino filma na Alemanha com um elenco maioritariamente europeu, verdadeiro desfile de estrelas do cinema alemão (a bela e talentosa Diane Kruger, Michael Fassbender (de "Hunger" um dos grandes filmes do passado recente, aqui num óptimo desempenho e com uma das melhores cenas do filme), Christoph Waltz (Coronel Hans Landa, o melhor actor do ano em Cannes e o melhor de todo o filme), Daniel Brühl ("Goodbye Lenine") e alguns bons actores franceses como a inesquecível Shosana Dreyfuss interpretada por Mélanie Laurent. O filme cruza 2 histórias paralelas que distribui por 5 capítulos, mantendo a já tradicional estrutura "tarantiniana". Começamos na França ocupada do início da década de 40 do século passado, pela história de Shosana, judia, única sobrevivente do brutal massacre de toda a sua família, que, a seu tempo, terá a oportunidade de uma vida para vingar. Em seguida conhecemos os infames Basterds, um grupo que, na boa tradição de "The Dirty Dozen", tem como única missão matar nazis, com o bónus de vingarem o massacre a que o seu povo foi sujeito, visto terem em comum o facto de serem judeus. A vingança que levam a cabo espalha o medo entre os oficiais alemães, chegando aos ouvidos do próprio Führer, que desespera perante tamanha ousadia.
As típicas cenas de diálogo sem cortes estão presentes, quase sempre em plano contínuo, garantindo o realismo e assegurando o suspense em momentos-chave cujo desenlace influencia todo o futuro das personagens. A violência é gráfica e explícita, sem disfarces nem subterfúgios. Carrega o simbolismo da redenção pela vingança (que na realidade nunca chegou a acontecer...infelizmente) que todas as personagens principais buscam e, em última instância, lhes dá motivação e alento para se manterem vivos, um objectivo a que entregam a sua existência e que levam às derradeiras consequências, por todos meios ao seu alcance, por mais inortodoxos que possam parecer. A sequência basilar de todo o filme acontece no cinema de que é proprietária Shosana, levando ao clímax todas as premissas semeadas ao longo da trama, com imagens poderosas e que, apesar de todo o espectáculo e inevitável choque e espanto, nos deixam um sorriso nos lábios. Tarantino conclui com chave de ouro e deixa o seu nome gravado na história do cinema por, mais uma vez, provar que o cinema, mantendo-se pop, pode simultaneamente atraír público às salas e ser tão ecléctico como o melhor da 7ª arte europeia, cujos actores incansavelmente celebra ao longo de mais de 2h30m. That´s Entertainment!

Classificação - 4 Estrelas Em 5

7 comentários:

  1. Boa malha. Ri e sorri muito com estes 5 capítulos narrados pelo Jackson Tarantiniano. :D

    ResponderEliminar
  2. Excluindo o facto de ser extremamente ridiculo e irreal, o filme até é agradável de se ver, é pena o final completamente estupido.

    ResponderEliminar
  3. Antes de ires ver o filme informa-te sobre ele.
    Estavas a ver um filme do Tarantino querias o quê?

    Vai mas é ver um Transformers se queres rigor histórico!

    ResponderEliminar
  4. Todos gostam do Tarantino porque é giro gostar do Tarantino, o Robert Rodriguez tem um estilo praticamente idêntico e ninguem lhe liga nenhuma. Este filme é engraçado e tem uma boa banda sonora mas o enredo é ridiculo, já estou cansadinho das historias por capitulos, teve piada em Kill Bill mas já chega meus amigos. Gostei dos actores e da ideia dos Basterds mas a ideia de matar hitler e a chefia nazi toda e ainda por cima meter ao barulho um judia que nunca se precebe muito bem como conseguiu o cinema é estranhamente exagerado.

    ResponderEliminar
  5. Aprecio Tarantino mas não sou um fã acérrimo, no entanto, adorei este filme, algo que me surpreendeu porque tendo em conta as criticas de cannes, estava a espera de algo muito violento e horrivel mas dentro do genero até é relativamente pacifico. A historia demonstra a crueldade e loucura alemã, bem como o funcionamento da sua propaganda, também gostei da equipa dos basterds mas não apreciei o facto de terem deturpado daquela forma a história da guerra mundial, pelo menos o final poderia ter tido um twist diferente.

    ResponderEliminar
  6. Nao sei bem o que dizer, gosto muito de tarantino, gosto muito de ficção, adoro história, a segunda guerra e... vejo tudo misturado num filme que me baralhou. No entanto, ver o hitler morrer deu-me um misto de ridiculidez e prazer. Os diálogos continuam muito bons, para mim um pouco a desejar na combinaçao com certas personagens e actores.
    E bom, foi entertainment de facto, gostei do filme, aprecio a obra de tarantino mas este fica uns furos abaixo de alguns outros. Para mim, Pulp Fiction a referencia, reservoirdogs uma surpresa.
    Adrião

    ResponderEliminar
  7. Gostei da forma como a história foi recontada, de novo de uma forma idilica e perfeita. Acho que esse seria um pouco a intenção poder através do cinema criar um outro final, reescrever a história, e aqui por um realizador que a conta de uma forma brutal, cartoonesca, de uma forma muito própria claro, mas que não se resume só á sua mão de realizador mas a uma altura da história em que os vencidos são vencedores. Claro que, se está a repetir as mesmas formulas, mas este filme foi pintado de uma maneira tão diferente, que não é comparavel.
    Manel

    ResponderEliminar

Post Top Ad

Your Ad Spot

Páginas