E Agora Para Algo Completamente Diferente: Análise Crítica/Turística a Paris (França)

Paris, a Cidade das Luzes e do Amor. A histórica e eterna capital de França é o motor financeiro e cultural do país e é também uma das cidades mais importantes da Europa e do Mundo. Visitada anualmente por milhões de pessoas vindas de todo o mundo, Paris é, a par de Roma, Londres e Nova Iorque, uma das cidades mais visitadas do planeta. Em 2016, por exemplo, o Ministério do Turismo de França estima que mais de vinte e cinco milhões de pessoas visitaram a cidade, quer em trabalho, quer em lazer.
Tendo em conta a sua importância a todos os níveis, Paris é das poucas cidades no mundo em que asseguro, sem qualquer hesitação, que até uma visita a correr, para ser bem feita, tem que demorar, pelo menos, quatro dias. É por isso manifestamente impossível conhecer, por exemplo, os principais pontos de Paris numa escapadela de fim  de semana, tempo que em outras cidades é mais do que suficiente para explorar sem problemas os seus principais pontos e sentir a vivência da cidade.
Esta metrópole é servida por três aeroportos e por uma extensa, variada e detalhada rede de transportes públicos cujo alcance vai até mais longínquo subúrbio, não sendo por isso necessário um carro para visitar com mais eficácia a cidade, aliás um carro só atrapalhará a visita. E tal acontece porque a circulação rodoviária em Paris é um caos. O centro da cidade tem muitas limitações de condução e o estacionamento é muito escasso, aliás tendo em conta a dimensão da cidade não há mesmo estacionamento suficiente para tanto trânsito rodoviário. A policia também não facilita, nem mesmo perante turistas, por isso andar de carro em Paris é proibitivo por todos os motivos possíveis, incluído pela própria sanidade mental do visitante que, perante tanto caos, deverá quase de certeza ficar com a visita arruinada. O metro, os autocarros e o comboio são, por isso, a melhor maneira de se deslocar dentro da cidade, sendo o avião a melhor forma de ir para Paris vindo de qualquer destino fora da França.
Neste ponto falaremos de preços. A viagem de avião de Portugal Continental para Paris ronda, em média, os 80 Euros ida e volta nas companhias mais baratas e em épocas baixas, ou seja, no Verão e em Dezembro estes preços são sempre muito elevados. Há muitas companhias aéreas low-cost que voam de Portugal para o Aeroporto de Beauvais e são estes os preços mais baratos do mercado. Se conseguir pagar um pouco mais pela viagem então aconselho vivamente que evite voar para este aeroporto, porque fica a sensivelmente 2 horas de Paris. Embora exista autocarro direto para o cetro da cidade, este não tem uma vasta amplitude de horários e não é também propriamente muito barato, ficando a viagem de ida e volta por uma média de 30 Euros. Por esta diferença pode conseguir voos mais diretos e quase tão baratos para o Aeroporto de Orly que fica muito mais perto de Paris e tem mais e melhores acessos.
Os preços dos transportes públicos estão em linha com os preços praticados nas principais cidades europeias. Os Transportes de Paris disponibilizam online, nas lojas de turismo ou em qualquer estação de metro ou de comboio uma variedade de bilhetes para as mais variadas zonas de Paris. Há passes para vários dias e para várias zonas, existindo até um bilhete específico para a EuroDisney. Por isso antes de visitar Paris consulte o site oficial do Turismo ou dos Transportes de Paris e planeia as suas viagens e as suas compras de forma a não ter problemas ou surpresas desagradáveis. É certo que nunca apanhei qualquer tipo de fiscalização em nenhum meio de transporte parisiense, mas para além dos mecanismos de controlo que estão situados em muitas das estações de metro e comboio, também existem fiscais que nunca poupam a multa.


Os Pontos de Interesse

O monumento ícone de Paris é, como é evidente, a Torre Eiffel. Há duas formas de visitar a Torre Eiffel e retirar o máximo proveito da paisagem e da experiência que esta visita envolve. A maior parte das pessoas opta por começar a visita nos Jardins du Trocadero/ Palais de Chaillot, onde se localizam as principais paragens de transportes públicos. Ao começar por aqui tem-se uma excelente vista panorâmica sobre a Torre, sendo que o Trocadero é mesmo o melhor sítio em Paris para tirar uma foto ou uma selfie com o famoso monumento como pano de fundo, isto devido à sua localização favorecida, já que o Trocadero fica mesmo em frente ao monumento e numa altura ideal para fotos panorâmicas. O Jardins du Trocadero e o Palais de Chaillot também são, em si, muito bonitos e merecem, por si só, uma visita. Não é de estranhar que estejam sempre cheios de turistas, no entanto, como os Jardins são amplos raramente há problemas em conseguir aquele lugar ideal para a foto ideal. Após descer os Jardins du Trocadero atravessa-se a Ponte d'Léna, uma das mais antigas e imponentes de Paris, e chega-se à base da Torre Eiffel. A entrada para a Torre é feita pelos Champ de Mars, sendo que é por estes jardins que muitos tambºem optam por começar a visita ao monumento, já que é um caminho mais direto. Ao começar por esta zona tem-se uma perspetiva diferente do monumento, mas o que é certo é que a Torre Eiffel é bonita, imponente e clássica de qualquer ponto de vista, quer de dia, quer à noite quando está toda iluminada. Se quer subir à Torre e não quer pagar os preços dos pacotes turísticos com visita guiada, então aconselho-o a comprar o bilhete com antecedência. A visita não fica muito cara, mas há filas para subir e para comprar o bilhete, pelo que se comprar o bilhete em antemão poupa muito tempo e evita ter desilusões, já que os bilhetes podem esgotar, principalmente no Verão. As filas só as evita se comprar um pacote que inclua uma visita guiada com a oportunidade skip the line, mas tais pacotes são bem mais caros.
Um outro ponto imperdível da experiência turística de Paris é o histórico Arco do Triunfo. Situado no limite dos Champs-Élysées, a Avenida mais famosa de Paris, o Arco do Triunfo também tem ótimos acessos, sendo muito fácil de visitar. É certo que não é tão imponente com a Torre Eiffel, mas é um marco que tem que ser visitado em Paris. O ideal é percorrer a pé os Champs-Élysées até ao Arco, assim absorve toda a magia que rodeia esta Avenida e acaba por ter como prato final um monumento também ele muito bonito.  Se quiser pode subir até ao topo do Arco, mas se quiser poupar dinheiro não é um must, já que o Arco visto de qualquer ponto de vista da rotunda onde se situa é bonito por si só e o que realmente interessa é a base do Arco, onde se respira a real história do monumento. Não terá que atravessar a caótica rotunda para lá chegar, já que existe um túnel que vai ter lá direto. Perto dos Champs-Élysées estão os museus Grand Palais e Petit Palais, os dois principais espaços de exibições de Paris. A entrada no Petit Palais é, salvo exceções, sempre gratuita, por isso é um sítio a visitar, até porque está quase sempre aberto. Já o Grand Palais nem sempre está aberto e paga-se sempre para ver as exposições aqui expostas. Em todo o caso ambos os Palácios são muito bonitos, quer por dentro, quer por fora. As suas exposições é que podem não interessar para quem não aprecia museus.
Por falar em museus, não se pode ir a Paris sem visitar o Museu do Louvre, um dos museus mais famosos do mundo e o lar de vários quadros mundialmente famosos, como a Mona Lisa. Se só conseguir visitar um museu em Paris, o Louvre tem que ser a sua escolha. A entrada é um bocado cara e para visitar o museu do início ao fim com todo o cuidado e atenção tem que se perder, pelo menos, um dia inteiro entre todos os seus halls de exposição. Há dias em que a entrada no Louvre é gratuita, mas tem que se informar sobre esta situação e, prepare-se, estes dias são sempre aqueles com mais filas. Será por isso quase impossível ver de perto os principais pontos de interesse do museu. Se não tiver muito interesse neste aspeto cultural visite, pelo menos, o icónico pátio de entrada do museu e os jardins que dão acesso a outro importante marco de Paris, o Jardim das Tuileries. Este é um dos jardins mais famosos da cidade, sendo por isso imperdível um passeio relaxado pelos seus caminhos. No final deste jardim encontra-se a Place de la Concorde, uma das praças mais históricas e interessantes da cidade. É aqui que fica o Obelisk oferecido pelo Egito à França, assim como o Musée de l'Orangerie, cuja fachada do edifício é muito bonita.
Um pouco ao lado da Place de la Concorde fica a histórica Pont Alexandre III. É uma ponte maravilhosa, onde o Rio Sena é devidamente apreciado entre as belas estatuas que adornam a ponte. Ao sair da Pont Alexandre III damos de caras com o Jardim dos Invalides, onde se situa o edifício histórico onde Napoleão Bonaparte se encontra sepultado. Já que está nesta margem do Rio Sena poderá aproveitar para visitar a Torre Montparnasse, o edifício mais alto de Paris e o único arranha céus da cidade. É possível visitar, por 15 Euros, o topo do edifício e ter uma perspetiva única sobre Paris e todos os seus monumentos. Uns bons kms abaixo de Montparnasse ficam as famosas Catacumbas de Paris. Por opção pessoal este foi o único marco de Paris que não visitei e que não faço intenções de visitar no futuro, mas se tem curiosidade em visitar um dos sítios mais mórbidos da cidade, então compre/marque uma visita guiada e aventure-se por tuneis centenários.
Entre outros museus que pode visitar em Paris destaca-se o Museu D’Orsay, o segundo mais importante da cidade e onde estão expostas obras um pouco mais contemporâneas. Também o Museu de Luxemburgo, o Museu de Rodin, o Museu de História Natural e o Museu de Picasso são, neste capítulo, museus a visitar e de relevo. Entre outros pontos culturais de interesse encontramos a Ópera de Paris, a Cinemateca de França e vários teatros e coliseus, como por exemplo o infame Bataclan ou o famosíssimo Folies Bergère. Se quiser arriscar a sua sorte, então visite também o Casino de Paris, no entanto, este local não é de todo um must see na cidade.
Para além de restaurantes, Paris tem uma vasta abundância de igrejas e de outros edifícios eclesiásticos. Neste campo o ex-líbris da cidade é a icónica Igreja de Notre Dame. Localizada na Ile de la Cité, o primeiro local de Paris a ser habitado por uma tribo celta, a Igreja de Notre Dame é a Igreja Rainha de Paris, sendo uma das mais antigas de França e da Europa. A entrada em Notre Dame é sempre gratuita, mas atenção que a igreja, como qualquer outro local, tem um horário de funcionamento que tem que ser respeitado. De todas as igrejas de Paris, Notre Dame é aquela que justifica uma visita guiada. Há muita história, segredos e lendas por detrás de Notre Dame e, por isso, uma visita guiada é a melhor forma de rentabilizar uma visita a Notre Dame. É claro que a entrada gratuita em Notre Dame não inclui a subida aos Sinos e a uma das Torres, mas pode incluir um vislumbre da icónica Coroa de Espinhos que, uma vez por ano, fica em exposição na Catedral. Nas redondezas de Notre Dame estão outros locais de interesse, como o primeiro Hospital de Paris ou o Palácio da Justiça, que infelizmente não podem ser visitados por dentro, apenas por fora.
A outra igreja imponente e imperdível de Paris é o Sacré-Coeur. Localizado nas redondezas do famoso Moulin Rouge, outro dos pontos de paragem imperdíveis de Paris, o Sacré-Coeur é uma igreja grandiosa cujo interior é absolutamente maravilhoso. A igreja fica no topo de uma colina, mas se não quer subir as centenas de escadas até ao local pode ir de autocarro ou de teleférico até ao topo. Também não é fácil chegar ao local de transportes públicos devido à sua localização, sendo necessário fazer algumas transferências, mas a vista de Paris compensa, assim como o interior da igreja. Para além do Moulin Rouge, nas redondezas do Sacré-Coeur fica o Bairro de Montmartre, uma zona muito bonita que faz lembrar o centro histórico do Porto. Há muitas outras igrejas espalhadas por Paris, mas estas duas são as mais históricas e as mais interessantes de visitar,
Nos subúrbios de Paris localizam-se outros dos pontos de interesse da cidade. O primeiro é o Palácio de Versalhes, o histórico Palácio que ilustra a opulência da monarquia francesa e que é considerado, muita justamente, um dos edifícios mais belos do mundo. Excetuando em dias especiais, os amplos e gigantescos Jardins do Palácio são de livre acesso, mas o acesso aos edifícios de Versalhes são pagos. O acesso ao Edifício Principal custa 15€, sendo que recomendo que compre o bilhete de antemão, porque senão terá que ficar á espera em duas filas, já que para entrar no Palácio conte, em média, com uma fila de quarenta minutos de espera. Para visitar todo o Palácio de Versalhes reserve um dia inteiro, já que perde algum tempo na viagem até Versalhes e perderá muito mais a explorar o palácio e os seus jardins. Em todo o caso recomendo vivamente a visita ao Palácio Central, já que a sua beleza é única no mundo. É uma experiência para a vida que vale muito a pena.
Também a popular EuroDisney fica nas redondezas de Paris. A viagem desde o centro da cidade até à EuroDisney é longa e um pouco cara, já que uma viagem de ida e volta custa no mínimo 30 Euros. A EuroDisney divide-se em dois parques temáticos, a EuroDisneyland e o Walt Disney Studios. O segundo é mais direcionado para os adultos, já que é aqui que se encontram os divertimentos com mais adrenalina, já a EuroDisney é direcionado para as crianças porque se trata do parque original e aquele que é tido como o principal, sendo o lar do famoso Castelo da Bela Adormecida. Salvo uma promoção rara, um bilhete básico apenas lhe dá o direito a visitar um destes parques. Se quiser visitar os dois terá que desembolsar um pouco mais de dinheiro e comprar o pacote dos dois parques. Em todo o caso os bilhetes para a EuroDisney, seja para que parque for, são bastante caros, rondando os 48 Euros por pessoa em época baixa e, atenção, a alimentação não está incluída, nem a viagem de comboio até ao parque. Isto para o avisar que num dia apenas gastará uma pequena fortuna, já que os packs de dois ou três dias são ainda mais caros. Sinceramente acho que não precisa de três dias na EuroDisney, quanto muito dois dias caso queira explorar ao pormenor os dois parques e andar em tudo a que tem direito. Há certos divertimentos cuja vez na fila pode ser marcada, mas há outros que não, por isso terá sempre que esperar em filas na EuroDisney, como também é garantido que vai comer muito mal e a um preço abusivo, caso opte por comer num dos muitos restaurantes temáticos do parque. Vale a pena a visita? Entre todos os locais de Paris mencionados, a EuroDisney será aquele que menos a pena vale visitar devido ao balanço preço/oferta, mas é ainda assim um daqueles sítios a visitar uma vez na vida para relembrar a infância.
O que mais há para ver em Paris? Para além dos pontos referidos há muitos outros sítios para ver, nomeadamente os populares bairros Marais, St. Germain des Prés ou Quartier Latin conhecidos pelos seus restaurantes, lojas e ambiente seguro de diversão. Se é fã de futebol deve visitar o Parque dos Príncipes ou o Stade de France, os dois principais estádios de Paris. Também poderá visitar, porque vale a pena, a Fundação Louis Vuitton que fica nos subúrbios de Paris. Para o fim fica uma visita à Bastilha, que já não existe, no entanto poderá visitar a praça que está no local onde outrora esta se situava. O edifício em si pode já não existir, mas o local em si está repleto de história, nomeadamente no que toca á Revolução Francesa. O Palácio do Eliseu, o Centre Georges Pompidou, o Palais Garnier, o Panthéon, a Conciergerie, o Château de Chambord ou a Estatua da Liberdade Francesa são, por exemplo, outros pontos de destaque da cidade, sendo que este último é aliás também um ponto imperdível, apesar de estar muito escondido. Se gostar de gelados vá também à Ilha de Saint Louis, que fica perto de Notre Dame, comer os Melhores Gelados de França

A Cidade

No fundo há muito para ver em Paris e uma pessoa perde-se  facilmente nas suas ruas, monumentos e museus. Não duvide que Paris é certamente uma das cidades a visitar e revisitar antes de morrer. Embora tenha muitas zonas problemáticas e perigosas, Paris é uma cidade relativamente segura. É claro que tem um gigante problema com a imigração e durante a sua visita quase de certeza que será incomodado por alguém que lhe pedirá dinheiro ou que lhe vai impingir algo, sobretudo na zona do Sacré-Cœur. Se evitar zonas perigosas à noite e se fizer um percurso sempre turístico a horas decentes pelas boas e movimentadas zonas da cidade não deverá ter qualquer problema. Terá que ter apenas as precauções normais nas grandes cidades, nomeadamente nos transportes públicos e em zonas mais escondidas e distantes, mas se seguir tais conselhos deverá conseguir fazer uma visita sem problemas. Escusado será dizer que também deve evitar ao máximo sair do centro da cidade. Os bairros mais problemáticos ficam nas redondezas da cidade e a entrada nos mesmos é fortemente desaconselhada. No fundo evite tudo o que fique fora da zona de conforto de Paris, ou seja, aquelas zonas que fiquem fora do anel de autoestradas que rodeiam o centro histórico da cidade.
Aproveito para referir que  deverá também comer muito bem, já que em Paris não faltam restaurantes de elevada qualidade, mas atenção que os preços são bastante acima da média. Em todo o caso a experiência gastronómica vale a pena, desde a pastelaria às grandes refeições clássicas, como o fondue ou as raqueletes.
Não há também altura ideal para visitar Paris, porque todas são aconselháveis, no entanto, uma visita no Verão é a pior entre as escolhas possíveis. Embora seja uma cidade do Norte, Paris é muito quente no Verão devido à sua localização interior. É certo que apanhará sempre bom tempo, mas as fortes temperaturas que se fazem sentir durante a tarde são verdadeiramente desmotivadoras. Para terminar apenas falta referir que só guardo boas experiências de Paris, mas para sentir a cidade há que respeitar a cidade e saber apreciá-la com o devido tempo.
Falta só falar de custos. Uma viagem a Paris de quatro dias com alojamento à margem do centro histórico, na época baixa e com uma visita incluída de um dia à EuroDisney deverá ficar entre 400 e 600 Euros por pessoa. É claro que tais custos são variáveis atendendo às atividades realizadas e, claro está, podem ser ajustados com cortes na alimentação, alojamento e transportes no centro da cidade, mas não corte em demasia. Um último conselho. Se conseguir faça um cruzeiro pelo Rio Sena porque vale muito a pena e é muito romântico, especialmente ao fim da tarde.

O Melhor - Versalhes e o Centro de Paris - O Palácio de Versalhes é único e vale a pena a visita, sobretudo aos Jardins e ao Palácio Central. Uma visita imersiva ao Centro Histórico também é imperdível e indispensável para sentir o pulso à cidade e aproveitar tudo de bom que ela tem para nos oferecer. Embora seja bastante grande, o Centro Histórico é lindíssimo.

O Pior - Os Subúrbios e a EuroDisney - Se não tiver filhos evite a EuroDisney. É bastante cara e de todos as coisas que há para fazer em Paris, a EuroDisney é a mais evitável. Acima de tudo fique longe dos subúrbios de Paris, onde ficam localizados os bairros mais perigosos da cidade. A periferia da cidade é quase toda ela problemática, por isso não se aventure para além do Centro Histórico a não ser para visitar os monumentos que ficam fora da cidade, como o Palácio de Versalhes. Uma estadia segura depende disso. 


1 comentários:

  1. Já visitei Paris e continua a ser o top das minhas cidades visitadas, à algo que não consigo descrever mas o facto é que esta cidade faz-me sentir como Lisboa.

    ResponderEliminar

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial