Transformers: The Age of Extinction - O Que Se Pode Esperar

Os Transformers estão de regresso às salas de cinema. É já no dia 26 de Junho que estreia em Portugal - em 3D, 2D e IMAX - o aguardado "Transformers: Era da Extinção"/ "Transformers: Age of Extinction", a nova entrega da saga "Transformers" que promete deixar deliciados todos os fãs de blockbusters de ação com muitas explosões e batalhas gigantes recheadas de artilharia pesada. É praticamente isto que podemos esperar, com toda a certeza, desta quarta entrega de uma saga visualmente impactante, já que até agora, todos os seus filmes deixaram um pouco a desejar ao nível do argumento, mas não há dúvidas que "Transformers", "Transformers: Revenge of the Fallen" e "Transformers: Dark of the Moon" conseguiram sempre arrebentar a escala no que toca às cenas de ação e aos efeitos visuais. 

   
O que já se sabe é que "Transformers: Era da Extinção" também irá puxar ao máximo pela sua componente técnica, por isso dúvido muito que alguém que tenha gostado dos três filmes anteriores possa ficar desiludido com o que será apresentado nesta nova entrega, que mais uma vez ficou a cargo do sempre exagerado realizador Michael Bay. E o seu toque visualmente explosivo é desde logo evidente em todos os elementos promocionais, que prometem então ao espetador um produto de entretenimento pipoca bem caprichado do ponto de vista técnico. O exagero de ação explosiva e componentes visuais computorizados será portanto uma parte importante desta quarta entrega, que introduzirá à saga os Dinobots (Transformers Dinossauros), bem como muitos novos Decepticons e Autobots, aos quais se juntam os regressos dos heróis Optimus Prime e Bumblebee.

   
A juntar às sequências de ação e aventura cheias de vida, "Transformers: Era da Extinção" terá também uma história que, sem dúvida, não será tão apelativa como a sua componente técnica, mas claro, resta saber, se estará ao nível da aceitável intriga de "Transformers", ou então do sofrível argumento de "Transformers: Revenge of the Fallen". Esta quarta entrega é, para todos os efeitos, uma espécie de reboot da trilogia original, já que os planos de Bay e da Paramount Pictures passam por criar uma nova trilogia ancorada nos eventos explorados em "Transformers: Era da Extinção". É por isso que nenhuma personagem humana dos três filmes anteriores regressou para esta nova entrega, nomeadamente os protagonistas Sam Witwicky (Shia LaBeouf) e Lennox (Josh Duhamel), já que os eventos retratados em "Transformers: Era da Extinção" passam-se vários anos após os eventos de "Transformers: Dark of the Moon", e pretendem começar uma nova aventura entre Humanos e Transformers. É nesta onda de mudança que se enquadram os novos protagonistas humanos, como Cade e Tessa Yeager (Mark Wahlberg e Nicola Peltz), que irão juntar-se aos recorrentes Optimus Prime e Bumblebee numa mega aventura explosiva que mexerá com vários inimigos, que desta vez não incluem apenas os Decepticons, já que os Humanos também terão o papel de vilões, algo de novo e diferente para esta saga.

   
Se gosta da saga, então não pode perder esta entrega, mas se não aprecia este género de blockbusters explosivos, então bem pode esquecer e passar ao lado deste produto, que não parece ter nada de radicalmente diferente em relação aos seus antecessores. É claro que será um dos principais blockbusters do Verão de 2014, mas "Transformers: Era da Extinção" parece mesmo destacar-se como um daqueles filmes puramente comerciais nos quais só deve mesmo apostar se gostar de explosões e descontroladas sequências de ação, já que não me parece que seja um clássico memorável ou, sequer, um filme digno de elogios invejáveis. Se gostar, pode já ficar a salivar pela sua continuação que, segundo a Paramount Pictures, já está confirmada e será lançada no Verão de 2016.

Enviar um comentário

2 Comentários

  1. Como o filme tem a duração de 2 horas e 38 minutos, espera-se um enredo superior aos filmes anterior e espero bem que seja esse o caso

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O terceiro tinha 2 horas e 34 e não teve, acho k neste ponto a esperança é diminuta.

      Eliminar