Full width Top advertisement

Críticas

Post Page Advertisement [Top]

Crítica - Adoration (2019)

Crítica - Adoration (2019)
Crítica - Adoration (2019)

Realizado por Frabrice du Welz
Com Fantine Harduin, Thomas Gloria

Após "Calvaire" (2004) e "Alléluia" (2014), o cineasta belga Fabrice du Welz regressa aos cinemas com "Adoration", o último filme da Trilogia das Ardenas que se destaca como o melhor projeto desta saga independente. Tal como os filmes anteriores de Welz, "Adoration" segue um rumo muito filosófico e subtil. Na sua essência poderemos descrevê-lo como um thriller dramático que joga com as loucuras do romance jovem e mistura-as com a própria loucura mental. Mas o que "Adoration" efectivamente promove é uma história que não se afigura para todos os gostos, até porque nem sempre é fácil de decifrar as suas mensagens, os diálogos lentos entre os protagonistas ou as suas ações erráticas que vão sendo polvilhadas por simbolismos curiosos (os elementos da natureza ou a reflexão humana). 
Resumindo a sua trama de uma forma objetiva e simples, "Adoration" conta-nos a história de Paul (Thomas Gloria), um jovem às portas da adolescência que vive com a sua mãe numa clínica privada que está escondida na floresta. Quando Gloria (Fantine Harduin), uma adolescente esquizofrénica, chega à clínica, Paul fica imediatamente apaixonado por ela e passa a acreditar que ela está em perigo. E, por isso, ajuda-a a fugir e os dois partem numa jornada de cumplicidade e loucura pelas florestas e rios das Ardenas.
Pode não se o filme mais fácil de decifrar, mas "Adoration" tem várias mais valias. A acompanhar uma história simples que ganha com o toque de Welz vários significados, "Adoration" junta várias sequências e imagens de qualidade. À sensibilidade de Weltz soma-se uma sublime fotografia que, quando coordenada com a visão de Weltz, ajuda a criar uma espécie de quadro cinematográfico que, a cada plano, merece ser apreciado. A sua destreza estética enquadra-se na sua subjetividade dramática e acaba por promover promover um encerrar de ciclo digno para a trilogia que Welz idealizou e que com "Adoration" parece ter atingido o expoente. 

Classificação - 3 Estrelas em 5

Sem comentários:

Publicar um comentário

Bottom Ad [Post Page]