Full width Top advertisement

Post Page Advertisement [Top]

O Ano da Morte de Ricardo Reis, o Novo Filme de João Botelho, Chega a 1 de Outubro a Portugal

O Ano da Morte de Ricardo Reis, o Novo Filme de João Botelho, Chega a 1 de Outubro a Portugal
O Ano da Morte de Ricardo Reis, o Novo Filme de João Botelho, Chega a 1 de Outubro a Portugal

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" é uma adaptação cinematográfica do romance homónimo de José Saramago. Com estreia nos cinemas a 1 de Outubro, o filme realizado por João Botelho, conta no elenco principal com o ator brasileiro Chico Diaz (no papel de Ricardo Reis), Luís Lima Barreto (Fernando Pessoa) e com as atrizes Victoria Guerra e Catarina Wallenstein, entre outros. "O Ano da Morte de Ricardo Reis" passa-se em Lisboa, em 1936, quando o médico Ricardo Reis regressa a Portugal depois de se ‘auto-exilar’ no Brasil mais de uma década. Entrelaçando a ficção com a história, José Saramago concebeu um encontro particular, o do defunto Fernando Pessoa, com este heterónimo. 1936 é o ano de todos os perigos, do fascismo de Mussolini, do Nazismo de Hitler, da terrível guerra civil espanhola e do Estado Novo de Salazar.  Pessoa e Reis são dois lúcidos observadores da agonia de um tempo, tão similar ao que vivemos, onde ascendem os populismos e os totalitarismos. Nessa relação intrometem-se duas mulheres, Marcenda (Victoria Guerra) e Lídia (Catarina Wallenstein), as paixões platónicas, carnais e impossíveis de Ricardo Reis.

Produzido pela Ar de Filmes, com distribuição pela NOS Audiovisuais, ‘O Ano da Morte de Ricardo Reis’ é uma alegoria que tem como pano de fundo a afirmação do Estado Novo. Para estar à altura deste notável romance do realismo fantástico, João Botelho decidiu filmar a preto e branco, criando um ambiente verosímil, onde os personagens se vão movendo, aflitos ou entusiasmados. A par com as antestreias do filme previstas para 20 de setembro no Teatro Nacional São João e dia 21 no CCB, estará patente, neste último, uma exposição ao ar livre no Caminho José Saramago, que inaugurará já dia 15 de setembro na Fundação José Saramago. Trata-se de uma exposição composta por materiais gráficos do filme e da famosa agenda do escritor, elaborada pelo próprio, a partir da sua investigação na Biblioteca Nacional sobre a imprensa de 1936 e que serviram de base para a construção da trama da obra literária. Será uma oportunidade de confrontarmos as anotações de José Saramago com os Jornais da época. Para João Botelho a obra de Saramago ‘denota-se muito atual e ganha uma nova urgência com o regresso do atual populismo’, e enquadra-se na tendência do cinema do realizador nos últimos anos, fixando para cinema grandes obras da literatura portuguesa.


Sinopse -  Fernando Pessoa, um dos maiores escritores da língua portuguesa estabeleceu um gigantesco universo paralelo criando uma série de heterónimos para sobreviver à sua solidão de génio. José Saramago, prémio Nobel da literatura em 1998, fez regressar o heterónimo Ricardo Reis a Portugal, ao fim de 16 anos de exílio no Brasil. 1936 é o ano de todos os perigos, do fascismo de Mussolini, do Nazismo de Hitler, da terrível guerra civil espanhola e do Estado Novo em Portugal, de Salazar. Fernando Pessoa, o criador, encontra Ricardo Reis, a criatura. Duas mulheres, Lídia e Marcenda são as paixões carnais e impossíveis de Ricardo Reis. “Vida e Morte é tudo um”, permite a literatura e o cinema também. Realismo fantástico.


Sem comentários:

Publicar um comentário

Bottom Ad [Post Page]