Ticker

6/recent/ticker-posts

Crítica - The Soloist (2009)

Realizado por Joe Wright
Com Robert Downey Jr., Jamie Foxx, Catherine Keener

Joe Wright tem uma maneira muito especial de mostrar o mundo tal como o vê. Os seus filmes são sempre centradas nas personagens, mas os cenários, o espaço envolvente, tem sempre muita força, muita presença, muito peso. Talvez para condizer com o vasto e complexo mundo interior que as suas personagens trazem aos ombros, que vemos reflectidos nos seus olhares dolorosos. Tendo realizado três longas-metragens todas elas baseadas em obras literárias, ele sabe que é impossível transpor toda a informação do livro nos diálogos. O que vai na mente das personagens é ditado pela expressão corporal, sim, mas soberbamente complementado pela escolha de planos do cineasta, tanto no retrato das pessoas como dos lugares. Subtil e imperceptível quando as palavras são suficientes, documentalista e invasivo quando as imagens têm de falar por si.
Os temas das suas obras até agora não são nada de propriamente novo. Em "Orgulho e Preconceito" (2005), a sua primeira longa-metragem, retomou a história clássica e mais que explorada e redefiniu-o por completo, ao mesmo tempo que definiu o seu estilo, a sua marca. Uma história de amor imprevisto e improvável de enredos complicados e demasiado texto foi transformada numa dança de silêncios significativos, olhares profundos e música dolorosa. Os sentimentos das personagens foram os nossos ao ver o filme. Em "Expiação" (2007), um mal-entendido imperdoável leva a uma tragédia a três e o espaço é opressivo e esmagador para todos os intervenientes, com a música novamente (Dario Marianelli) a definir os espaços interiores, a gravidade, o perigo iminente. "The Soloist" não é mais do que uma toma no eterno tema da redenção de uma alma perdida através da salvação de outra.
Steve Lopez (Robert Downey Jr.) é um jornalista de Los Angeles que escreve sobre pequenas histórias da cidade. Estando em crise de ideias (e de existência no geral), conhece Nathaniel Ayers (Jamie Foxx), um músico sem-abrigo com uma doença mental que, apesar de tudo, demonstra extraordinário talento com o seu violoncelo de duas cordas. Lopez começa a escrever sobre ele na sua coluna e à medida que o vai conhecendo, sente necessidade de tentar ajudá-lo, de melhorar a sua vida, de o recuperar, de o salvar, para se salvar a si próprio. Para Nathaniel, Steve é o único amigo que alguma vez teve, mas a seu ver não precisa de ser salvo. Então encontramo-nos mais uma vez perante o amor e a tragédia de duas vidas estilhaçadas.


Se é verdade que a história não é nada de muito original, a abordagem é-o, sem dúvida, ou pelo menos na caracterização das personagens. Downey Jr. veste a pele de uma espécie de Tony Stark caído em desgraça, ou seja, de discurso sempre inspirado mas ciente que a sua vida é um caco e surpreso por sequer conseguir levantar-se da cama de manhã. Foxx cria provavelmente uma das personagens mais inventivas e ricas da sua carreira. Estamos a falar de uma personagem que assimila o mundo mais através do som do que de imagens. A realidade vista por ele é multicolor de sons e as linhas de pensamento fluem como pautas musicais, não têm princípio nem fim, são um rol de factos e pessoas interligadas, às vezes sem nexo para quem não esteja dentro da sua cabeça. Mas Joe Wright põe-nos lá. É isso que faz este filme especial, mais uma vez vermos o mundo através dos sentimentos das personagens e não pelos seus sentidos. O filme fala sobre a relação que se cria entre os dois e a cumplicidade entre duas pessoas que claramente não falam a mesma língua mas que se vêem, de repente, a colocar todas as suas esperanças um no outro. Fala da importância de estendermos a mão aos nossos próximos, pelo mais pequeno gesto, porque qualquer contacto por mais pequeno que seja nos redime, nos aproxima da nossa humanidade e é benéfico para o outro, traz sentido ao outro. Nesse sentido, é um filme muito emotivo.
Tem essencialmente dois defeitos, na minha opinião. Primeiro, essa mesma emotividade às vezes é em excesso e pode ser confundida, por sua vez, com duas coisas: lamechice pegada ou tentativa clara de apontar para o Oscar, ainda por cima quando se tem uma personagem tão rica quanto a de Jamie Foxx. O outro defeito é uma certa sensação de não conclusão. Joe Wright tem verdadeiramente grandes ideias cinematográficas e executa-las, mas por vezes, talvez por ser uma história verídica e mais do que uma vez parecer estarmos perante um documentário, o desenrolar não leva a desenlace. As personagens evoluem, enriquecem no contacto entre si, mas não há catarse, não se modificam no seu âmago. Talvez seja mesmo isso parte da mensagem. Que é benéfico para ambos a presença mútua sem exigir nada em troca. Não há conclusão, há constatação. Mas isso torna o filme por vezes longo demais. Ainda assim, um bom filme, cheio de pormenores Wrightianos que nos enchem o coração.

Classificação - 4 Estrelas Em 5

Publicar um comentário

3 Comentários

  1. Também gostei muito do filme, adorei a química entre Robert e Jamie.

    ResponderEliminar
  2. Os dois actores princípais estão realmente fenomenais, outra coisa não se poderia esperar desses artistas. Quanto ao resto do filme, achei-o agradável, apresenta-nos alguns promenores interessantes como dizes na crítica mas em última análise acho que o argumento poderia ter ido mais além na aboragem da doença mental da personagem de Foxx.

    ResponderEliminar
  3. Concordo... não se sabe muito de cada um deles para além do presente. Acho que é uma das consequências da tal falta de conclusão. É retratado um episódio da relação deles, mas falta qualquer coisa, até mesmo pela falta de atenção que a Catherine Keener tem. Parece-me que o filme também foi direccionado para alertar sensibilidades para os sem-abrigo. Vê-se nos planos longos da rua da instituição de solidariedade, do túnel. Talvez a ideia seja não questionar o estado mental das pessoas nessa situação...

    ResponderEliminar