Mais Recentes

Post Top Ad

Your Ad Spot

quinta-feira, novembro 08, 2018

Entrevista a Michalina Olszanska, a Promissora Protagonista de Carga!

No dia da estreia de "Carga" nos cinemas portugueses apresentamos a entrevista que fizemos à sua protagonista: Michalina Olszanska. Esta promissora atriz polaca contou-nos tudo sobre a sua experiência nesta super produção nacional e falou-nos um pouco sobre a sua carreira até hoje. Fica agora a conhecer uma das maiores promessas do Cinema da Europa do Leste!


Portal Cinema (PC) – Antes de começarmos a falar do seu trabalho em "Carga", poderia-nos dizer quando e como é que decidiu ser atriz?  Before we discuss your role on “Carga”, I would love to know how did you decided to embark on an acting career? 

Michalina Olszanska (MO) . Em primeiro lugar, os meus pais são ambos atores, então acho que o desejo de representar sempre esteve lá. Eles  não queriam que fosse atriz, especialmente a minha mãe, mas quando se cresce no seio de uma família de cinema, acabas por ver muitos filmes, conhecer os amigos dos teus pais e todo o desejo de entrar nesse mundo acaba por vir naturalmente. A minha mãe queria que fosse médica, mas vamos ser honestos! Toquei violino durante 12 anos, por isso acho que não haveria forma de conseguir um emprego "normal"!

Well, first of all my parents are both actors so I think it was always there. They actually didn't want me to be an actress, especially my mom but when you are growing up in a theatre family, you watch films, you meet your parents' friends and it all comes naturally. My mom wanted me to be a doctor but let's be honest. I played the violin for 12 years there was no way for me to get a "normal" job!

PC - Como descreve o início da sua carreira e quais foram os maiores desafios?/ How do you describe the beginning of your career, and what were your major challenges that you faced at the time?

MO - Quando terminei o secundário, que era uma escola muito especial para "instrumentistas talentosos", era mais do que óbvio que deveria continuar a carreira como violinista. Então, quando decidi tentar algo totalmente novo deparei-me com um passo muito arriscado. Na época não tinha experiência no teatro ou cinema. Mas de alguma forma parecia ser o mais correto. Eu decidi tentar. Nunca é fácil quando se desiste de algo que já és bom e entras num caminho desconhecido, mas às vezes é uma boa escolha depois de tudo. Se não funcionasse, pelo menos, teria a experiência. Felizmente funcionou. Estou feliz por ter sido corajosa o suficiente naquela época.


When I finished  high school, which was a very special school for "extra talented instrumentalists" it was more than obvious that I should continue the career as a violinist. So when I decided to try something totally new it was very risky. At the time I had no experience in the theatre or cinema. But somehow it felt right. I decided to try. It's never easy when you give up on something you are already good at and enter the unknown path but sometimes it's a good choice after all. If it didn't work at least I would have got the experience. Fortunatelly it did work. I'm happy I was brave enough back then.


PC - O seu primeiro contacto com a indústria comercial foi com o filme "Jack Strong". O que nos pode dizer sobre este projeto?/ Is it right to say that your first major contact with the Mainstream Movie Industry was with the film “Jack Strong”? What can you tell us about that experience and what did it represent to your career?

MO - É isso mesmo :) Fiquei tão animada quando consegui esse pequeno papel. Isso não significava de todo que já estava no mercado e com certeza que não vi na altura todas as incríveis aventuras que viria a ter no cinema, mas pelo menos alguém reparou em mim e foi a coisa mais importante na época. Essa foi a primeira vez que pensei que talvez atuar não fosse uma má ideia e talvez possa fazer algo nesta indústria.


That;s right :) I was so excited when I got this small role. It didn't mean that I was already in the buisness and for sure I didn't see all these amazing future  film adventures coming but at least someone noticed me and it was the most important thing at the time.That was the first time I thought that maybe trying acting wasn't a bad idea and maybe I can do something in this industry.


PC - Hoje em dia é considerada uma das atriz polacas mais promissoras, tendo participado em vários sucessos na Polónia, mas o público internacional relaciona o seu nome ao seu trabalho em "Já, Olga Hepnarova". Como se envolveu neste projeto e como descreve a experiência? Considera que foi o papel que a colocou no radar do mundo? /Today you are considered one of the most promising Polish Actresses and you’ve participated in several well successful shorts and feature films in Poland, but I believe the International Audience connects your name with your great performance in the drama “Já, Olga Hepnarová”. How did you get involved in that project and what can you tell us about the all experience? And do you agreed with the assessment that it was the role that put you on the World’s Radar?

MO - Não sei sobre o radar do mundo, mas com certeza que esse papel trouxe me alguns outros papéis. A história de como eu o consegui não é muito emocionante;) Fui convidada a participar no casting como muitas outras jovens. Eles estavam à procura na Polónia porque era uma coprodução checa-polaca e queriam uma atriz desconhecida na República Checa. quando conheci os realizadores, sentimos ambos uma conexão e avançamos. Descobrimos que tínhamos a mesma ideia de como a Olga deveria comportar-se.
Pode soar extravagante, mas realmente acredito que não há competição na representação, porque os papéis literalmente esperam pelos atores. Há tantos de nós em todo o mundo e não há sentido em escolher alguém que não seja o escolhido para o papel. E acredito que não é uma questão de talento. Claro que bons atores desempenharão muitos papéis, mas eu acredito fortemente em energia. E, às vezes, atores com menos experiência ou não tão flexíveis são escolhidos porque têm algo indescritível, o que os torna perfeitos e únicos para o papel. Podemos ver em muitos filmes de Hollywood o que acontece quando uma pessoa é escolhida apenas porque é famosa e pode trazer dinheiro. Parece falso. Eu acredito que a Olga estava à minha espera e posso assegurar-lhe que há tantos papéis que eu sei que nunca vou conseguir, não importa o quanto eu tente. E mesmo se o fizer, vai ser um grande erro. Arte e amor odeiam falsidade. Essa é minha opinião.


I don't know about the world's radar but for sure this role brought me some other roles. The story how I got this one isn't very exciting ;) I was asked to participate in the casting like many other girls. They were looking in Poland because it was a Chech-Polish coproduction and they wanted an actress unknown in Czech Republic. When I met the directors we felt the connection very soon. It turned out that we have the same idea for how Olga should look and behave. It may sound cheesy but I actually believe that there's no such thing as competition in acting because roles literally wait for the actors. There are so many of us around the world and there's no point in casting someone who's not the one for the part. It's not even about the talent after all. Sure good actors will play many roles but I strongly believe in energy. And sometimes actors with less experience or not so flexible are being chosen because they have this undescribable something, which makes them perfect and one and only for the role. We can see in many Hollywood films how it turns out when a person is casted only because they are famous and can bring money. It feels fake. I believe Olga was waiting for me and I can assure you that there are sooo many roles that I know I will never get no matter how hard I try. And even if I do, it's gonna be a big mistake. Art and love hate falsehood. That's my oppinion.


PC - Destacou-se em papeis dramáticos e histórico. Mas prefere trabalhar em algum género específico? Que tipo de filmes ou personagens é que a atraem?/ You’ve stand out with your roles in many drama period films, namely War Period Films. Do you prefer to work on a specific movie genre? And to what type of characters/ movies are you draw into?

MO - Eu gosto de dramas psicológicos, mas quem não gosta? Pode ser divertido ver-se a si próprio num filme de super-herói de grande orçamento, mas não tenho a certeza se é assim tão divertido filmar. Eu participei num filme de grande orçamento e estava tudo bem, mas senti falta da coisa mais importante: essa aura específica e conexão entre as pessoas. Quando escolho o papel, primeiro penso nas pessoas com quem vou fazê-lo. Vamos acabar como amigos ou apenas como colegas de trabalho que dificilmente gostam um do outro? Pode parecer idealista, mas tive sorte até agora. Por exemplo, Bruno Gascon encontrou-me e não apenas como atriz, mas como pessoa. Nós somos amigos agora e valorizo ​​essa experiência. Nenhum prémio, nenhum holofote pode se comparar a isso. Então, para responder à sua pergunta - para mim são pessoas antes do argumento. Porque se sinto uma ligação com alguém, é quase certo que será um bom trabalho. E mesmo que nem todos gostem dos resultados "o nosso povo" vai gostar. A nossa tribo.

I like psychological dramas but, who doesn't? It can be fun to watch oneself in a big budget super hero movie but I'm not sure if it is so fun to shoot. I did play in such a big budget film and it was ok but I missed the most important thing: this specific aura and connection between people. When I choose the role I firstly think about people I'm going to do it with. Are we going to end up as friends or just the co-workers that hardly like each other. It may sound idealistic but I was lucky so far. For example Bruno Gascon found me and not only as an actress but as a person. We are friends now and I treasure it the most. No award, no spotlight can compare to that. So, to answer your question - for me it's people before the script. Because if I feel a connection with someone it's almost sure it's gonna be a good job. And even if not everybody will like the results "our people" will. Our tribe.



PC - Falando então de "Carga". Como se envolveu neste projeto= O que a seduziu ou convenceu a fazer algo tão diferente como este projeto? E que tipo de preparação teve para o filme, atendendo ao seu compexo tema de tráfico humano? /  Moving on to “Carga”. How did you get involved in this project? What did seduced you about this project that is slightly different from anything you’ve done in your movie career so far? And what type of preparation did you had for this role considering the sex traffic theme of the film?

MO – Antes de o Bruno me encontrar, a Joana Domingues (Produtora) mandou-me uma mensagem e de alguma forma pareceu-me uma combinação certa desde o começo. E quando li o argumento fiquei com 100% de certeza que era o projeto ideal para mim. Acho que todos nós compartilhamos o mesmo gosto pelo filme e pelo cinema, então eu soube desde logo que trabalhar neste projeto seria uma grande aventura. 
Sobre a preparação posso dizer que sou uma "atriz do diretor". É também por isso que é tão importante para mim sentir uma conexão porque, uma vez que concordo em trabalhar com alguém, confio neles. Posso ter algumas sugestões, podemos argumentar, mas preciso de ter certeza de que a pessoa com quem trabalho sabe exatamente o que deseja. E o Bruno sabia. Então preparei-me a ouvi-o falar sobre o projeto e a contar as suas histórias. Ele partilhou comigo a sua pesquisa sobre o tema, mas acima de tudo nós concentramos-nos nos personagens, concretamente na sua história de fundo. É difícil explicar, mas foi mais como um trabalho psicológico. E o Bruno é o melhor nisso. Acho que é seguro dizer que nunca conheci um realizador tão bom a trabalhar com atores. Não só eu, mas todos nós. Na minha opinião, não há uma "nota falsa" em Carga. Cada ator deu 100% de si no filme. O que pode ver no filme são emoções reais e profundas e é tudo graças ao Bruno. Tu até podes ser um ótimo ator, mas se o realizador não for capaz de te liderar e se, por isso, não te sentires seguro, então não terás uma grande performance. O Bruno sabe como empurrar atores, como tirar todas as emoções deles, mas ao mesmo tempo também os protege.

As I mentioned before Bruno found me. Joana Domingues texted me and it somehow felt right from the begining. And when I read the script I was 100% sure. I think we all share the same film taste so I knew that working on this project was going to be a great adventure.  About the preparation, I'm a "director's actor". That's also why it's so important for me to feel the connection because once I agree to work with someone, I trust them. I can have some suggestions, we can argue but I need to be sure that the person I work with knows exactly what they want. Bruno knew. So I was preparing by listeningto  him. He's stories. He shared with me his resarch on the topic but most of all we focused on the characters. Their backstory. It's hard to explain but it was more like psychological work. And Bruno is the best at that. Literally I think it's safe to say that I never met a director so good at working with actors.So devoted. Not only me but all of us. In my opinion there's not a sinlge "false note" in Carga. Every single actor was for 100% in it, what you can see in the movie are real, deep emotions and it's thanks to Bruno. You can be a great actor but if the director is not able to lead you and you don't feel safe, it will be just a medium sensation. Bruno knows how to push actors, how to get all the emotions from them but at the same time he protects them. 

PC - Fale-nos um pouco da sua personagem(s). Pode-nos dar um perfil? / Tells us a bit about your character. Can you give us a personal profile of her?

MO - Interpreto duas personagens em “Carga”. Uma delas é Victoryia, uma jovem da Europa Oriental, vítima de tráfico humano. A outra é Alanna, uma mulher que administra o "negócio" com o irmão. Então é uma combinação clássica de vítima / vilão. Não foi fácil. Quero dizer, foi um desafio de representação inacreditável, mas também do ponto de vista psicológico. Nós quisemos sempre realçar o facto de que quem somos e onde estamos é apenas uma coincidência. Cabe às escolhas que fazemos e às escolhas que as pessoas fazem por nós. E que todos nós temos potencial para nos magoar e ferir uns aos outros. E admito que mexeu comigo quando me tive que colocar na pele de ambos os personagens. Hoje em dia nós, como sociedade, estamos muito ansiosos para julgar o outro. Indicar quem é mau e quem é bom e o que é certo e o que é errado. Eu realmente gosto do filme e acho que é forte e pode fazer a diferença. Toda esta experiência ajudou-me a olhar para as pessoas e para mim de maneira diferente. É um pouco assustador, mas é tão importante lembrar que ser uma pessoa boa é uma escolha quotidiana e essa escolha não é tão óbvia quanto gostaríamos que fosse. É claro que todos nós sabemos disso, mas conhecer e sentir é uma história diferente. Nós gostamos de assegurar a nós próprios que nunca faríamos alguma coisa má, mas verdade é que não sabemos o que faríamos se mesmo um pequeno detalhe da nossa vida mudasse

I play two characters in Carga. One of them is Victoryia, a girl for Eastern Europe, a victim of human trafficing. The other one is Alanna, a woman who runs the "buisness" with her brother. So it's a classical victim/villain combination. It wasn't easy. I mean it was an unbelievable acting challange but also from the psychological point of view. We wanted to mark the fact that who we are and where we are is just a coincidence. It's up to the choices we make and the choices people make for us. And that we all have pottencial to be hurt and to hurt others. When I had to put mysefl in a possition of both of the opposite characters it made me think a lot. It literally twisted everything I knew about myself. Nowadays we as a society are very eager to judge. To point who's bad and who's good and what is right and what is wrong. I really like the film, I think it's strong and can make a difference but my personal achievement is... well. Personal. This whole experience helped me look at people and myself differently. It's a little bit scarry but it's so important to remember that being a good person is a everyday choice and this choice is not as obvious as we would like it to be. Of course we all know that but knowing and feeling - it's a different story. We like to assure ourseves that we would never ever do something. But we would never ever do something in a situation we are now. The truth is we don't know what we would do if even a small detail in our life changed. 

PC - Como foi filmar em Portugal? Enfrentou algum desafio em particular? / How was it like to film in Portugal? Did you had to face any particular challenges during the filming process?

MO - Foi ótimo. Talvez tenha tido sorte, mas acho que os portugueses são tão abertos e prestáveis. Essa é a minha experiência, então é tudo que posso dizer. A Joana e o Bruno reuniram as melhores pessoas, tanto de maneira profissional, quanto pessoais. E, claro, Portugal é incrivelmente bonito. Todas as pessoas com quem falo em Portugal são como - oh, é tão mágico! Bem, é mesmo :)

It was great. Like really. Maybe I was just lucky but I think that Portuguese people are so open minded and helpful. That's my experience so it's all I can say. Joana and Bruno gathered the best people, as much in a professional way, as personal. And of course Portugal is insanely beautiful. Every person I talk to about Portugal is like - oh, it's so magical! Well, it is :) 

PC - Na sua opinião, o que pode o espectador esperar do filme? E se o filme chegar à Polónia, acredita que pode ter sucesso?/ In your opinion what can the audience expect from the film? If the film reaches the Polish Movie Theaters, do you believe “Carga” will cause some impact on the box office?

MO - De certa forma acho que já respondi a essa pergunta. “Carga” é um filme muito forte, às vezes até brutal, mas não é para chocar o público. É para nos ajudar – e digo nós porque agora sou o público também. Sinto um pequeno percentual do que s pessoas como a Victoria sentem. Acho que não é um daqueles filmes que podemos ver como meros observadores de sangue frio. A história move-o e faz de si uma parte desse mundo. Sobre os cinemas polacos é sempre difícil dizer. Eu nem quero começar a abordar esse tópico ;) 

I think I kind of answered this question before. Carga is a very strong film, maybe even brutal sometimes but it's not to shock the audience. It's to help us - I say us because now I'm the audience too- feel a small percent of what people like Victoria feel. I think it's not one of those films we can watch as cold blooded observers. The story takes you in, makes you a part of this world. About Polish theatres it's always hard to tell. I don't even want to start on that topic ;) 

PC - Não quero terminar esta entrevista sem lhe fazer uma pergunta mais subjetiva, mas que pode ser importante tendo em conta a sua experiência no cinema polaco. Como descreve o estado atual da indústria cinematográfica polaca? E na sua opinião em que tipos de filmes devem os criadores polacos apostar?/ I don’t want to end this interview without making a more abstract question, but one that I feel is important considering your professional and personal experience within the Polish Film Industry. How do you describe it’s current state? And in your opinion what king of genres and stories should Polish Storytellers focus on in the near future?

MO -  Algo mudou na indústria cinematográfica polaca nos últimos anos. Temos uma grande história de filmes, mas depois, nos anos 90 e no século XXI, algo aconteceu. Talvez seja porque os melhores cineastas viajaram para o exterior e nos deixaram com comédias domésticas românticas e más novelas. Mas agora está tudo a ficar cada vez melhor. Os realizadores estão a tornar-se mais corajosos e independentes. Eu gosto de cinema abstrato, então gostaria que pudéssemos fazer mais esse tipo de coisa, mas eu sei que isso leva tempo. 

Something has changed in the Polish film industry in last years. We have a great history of films but then, in the 90' and  in the beining of the new century something happened. Maybe it;s because the best film makers travelled abroad and left us with domestic romantic commedies and bad soap operas ;) Now it's getting better and better, directors are becoming more brave and independent. I like abstract cinema so I wish we could do more that kind of stuff but I know it takes time. 

PC - Por fim o que nos pode dizer sobre os seus futuros projetos para além de "Carga"? Vê-se num futuro próximo em Hollywood? / Lastly can you tell us something about your future projects besides “Carga”? What’s next for your career and what are your main goals for the near future? Will we see yourself in Hollywood in a near future?

MO - Pode acompanhar o eu trabalho na série da Netfilx "1983". É uma produção original da Netflix feita na Polónia. Mas atualmente não estou a trabalhar em nenhum projeto. Precisava descansar. Passei os últimos anos no set de filmagem e foi ótimo, mas não tive tempo para mim. Agora tenho e estou tentando descobrir o que fazer com isso : D Provavelmente vou ver muitos filmes...;)

Now you can watch me in the Netfilx original series "1983". It's the first Netflix original production made in Poland. But I'm not working on anything right now. I needed to rest. I spent the last years on the film set and it was great but I didn't have time for myself. Now I have it and I am trying to figure out what to do with it. :D Propably I'll spend most of my time watching  movies... ;)  



Sem comentários:

Enviar um comentário

Post Top Ad

Your Ad Spot

Páginas