Full width Top advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Crítica - The Invitation (2015)

Crítica - The Invitation (2015)
Crítica - The Invitation (2015)

Realizado por Karyn Kusama
Com Logan Marshall-Green, Emayatzy Corinealdi, Michiel Huisman

À semelhança de muitos outros exemplos, "The Invitation" é mais um filme que teve um percurso brilhante no circuito internacional de festivais de cinema mas que, depois, não conseguiu replicar tal êxito nas salas de cinemas, onde teve uma distribuição muito limitada. E compreende-se porque! Esta obra de Karyn Kusama não foi feita para as grandes salas de cinema nem para competir com os grandes blockbusters. Aliás,"The Invitation" é daqueles filmes que resulta melhor em circuitos mais pequenos e perante uma audiência mais especifica, já que é um daqueles filmes que vai cozinhando a sua trama em lume brando até que esta explode num festival de terror e ação.
É inquestionável que ao começarmos a ver "The Invitation" conseguimos antecipar que algo de arrepiante irá acontecer ao grupo de amigos que se juntam num jantar de amigos que, com o passar da noite, vai-se tornando cada vez mais sinistro. Kusama conseguiu assim desenvolver na perfeição um ambiente de suspeição e tensão, aproveitando brilhantes diálogos e comportamentos suspeitos para indiciar que, mais cedo ou mais tarde, algo de violento vai acontecer. E claro que Kusama não desilude e tanta antecipação acaba mesmo por culminar numa conclusão digna de um filme de terror fiel ao tema dos cultos. Mas ainda assim é uma conclusão mais suave do que aquela que se poderia esperar, mas ainda assim carregada de emoção e marcada por uma esperada dose de violência. 
Até ao seu final, "The Invitation" revela-se um competente thriller que joga com emoções, suspeições e reações para montar um ambiente tenso que vai envolvendo o espectador. E este desenvolvimento acaba até por ser mais intenso e interessante que o seu final. E tal sucede porque ao longo do "jantar de amigos" vamos formando opiniões, suspeições e tomando partidos. E assim vamos sendo envolvidos numa trama que, sabendo nós que esta destinada a acabar em violência, permite-nos antes de mais formar opiniões próprias e colocarmos-nos, por exemplo, no lugar da personagem interpretada por Logan Marshall-Green. É certo que Marshall-Green não é propriamente um ator versátil e dinâmico, mas o seu perfil monocromático acaba por assentar que nem uma luva no emocionalmente distante Will. Também o vilão interpretado por Michiel Huisman, conhecido pelo seu papel de Daario Naharis em "Game of thrones" ou pela presença noutras séries e filmes mediáticos, cumpre todos os requisitos e acaba por ser o rival perfeito para o Will de Marshall-Green. Pelo meio temos mais personagens com sólidas performances que também ajudam a tornar "The Invitation" num grande exemplo do género e do cinema independente, exemplo esse que pode agora ser apreciado na Netflix.

Classificação - 3,5 Estrelas em 5

Sem comentários:

Publicar um comentário

Bottom Ad [Post Page]