Full width Top advertisement

As Nossas Críticas

Notícias

Post Page Advertisement [Top]

Crítica - Uncorked (2020)

Crítica - Uncorked (2020)
Crítica - Uncorked (2020)
Realizado por Prentice Penny
Com Courtney B. Vance, Lashun Pollard, Michael Mobley

“Uncorked” é mais um produto original da Netflix que, embora bastante simples na sua natureza, explora um conceito curioso e promove um entretenimento razoável, pelo menos para quem procura um filme acessível e que cumpre eficazmente a sua missão de fornecer aquele típico entretenimento cinematográfico de domingo à tarde. Na sua base está a história de um jovem (Mamoudou Athie) apaixonado pela cultura do vinho que sonha em tornar-se num sommelier profissional. A sua ambição esbarra na complexidade que se esconde por detrás da profissão, mas acima de tudo nas intransigência do seu pai (Courtney B. Vance) que anseia pelo dia em que ele assuma o comando do restaurante da família.
Trata-se de uma história de perseverança sobre a conquista de objetivos profissionais que, como é normal neste tipo de filmes, é desenvolvida por intermédio de ramificações dramáticas ligadas a relações familiares e duvidas existenciais e sociais. E aqui há que dizer que, embora a atenção nunca seja desviada do que realmente interessa, existe ainda assim algum excesso no nível dramático imposto a certos temas e à inclusão de determinadas histórias secundárias. Se a complexa ligação entre pai e filho até fornece algum poder dramático à história, o mesmo já não se pode dizer, por exemplo, do evento dramático que rodeia a mãe do protagonista e cuja inclusão parece ser claramente desnecessária para a evolução da trama, servindo apenas para apelar ao melodrama fácil.
Mas o que importa realmente ressalvar neste projeto é a forma como a demanda do protagonista para cumprir o seu sonho é desenvolvida, dando pelo meio ao público várias noções curiosas sobre o complexo mundo da vinicultura que é, como se percebe pelo filme, um negócio bem maior e bem mais complexo do que alguns poderão pensar.O conceito de “Uncorked” está portanto bem definido e é bem trabalhado e, salvo algumas exceções, funciona e cumpre assim a sua missão primordial. Há também que dar mérito neste campo a um elenco cativante que ajuda a cumprir tal missão, já que sem excessos ou devaneios promove uma interpretação global, simples e competente da história. 
Num plano mais particular, o público português pode, no entanto, sentir-se um pouco atacado por  uma grande falha em "Uncorked", já que a famosa cultura vinícola portuguesa é completamente ignorada e nem o icónico Vinho do Porto é referenciado. Uma falha grave e incompreensível presente num filme onde até vinhos da Argentina e Alemanha são referenciados, mas nenhum vinho português é destacado, quando na realidade os vinhos portugueses são equiparados ao que de melhor se faz em França ou nos Estados Unidos.

Classificação - 3 Estrelas em 5

Sem comentários:

Publicar um comentário

Bottom Ad [Post Page]