Ticker

6/recent/ticker-posts

Entrevista a Ivan Tai-Apin, Realizador Responsável por Wiren, Primeiro Candidato do Suriname aos Óscares. Conheça a Sua História e Como Tai-Apin Está a Ajudar o Cinema a Crescer no Suriname

Entrevista a Ivan Tai-Apin, Realizador Responsável por Wiren, Primeiro Candidato do Suriname aos Óscares. Conheça a Sua História e Como Tai-Apin Está a Ajudar o Cinema a Crescer no Suriname
Ivan Patrick Tai-Apin


Ivan Patrick Tai-Apin é um conhecido ator, diretor, guionista e produtor holandês. Ele é mais conhecido pelos seus espetáculos e peças teatrais originais. Em 2016, Tai-Apin começou a sua própria Escola de Representação em Câmera no Suriname e também é o Diretor Administrativo da It Goes Productions & It Goes Casting. Nos últimos anos, Tai-Apin tem feito muito pelo Cinema no Suriname e o seu mais recente esforço é o drama "Wiren" que fez história ao se tornar no primeiro candidato do Suriname ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro. Esta seleção pode vir a ter grandes repercussões para a indústria cinematográfica do Suriname e Tai-Apin parece estar disposto a elevar esta indústria de forma a que o Suriname consiga rivalizar com os seus vizinhos sul-americanos. Falamos com Tai-Apin sobre "Wiren", mas também dos seus planos para dinamizar a indústria da 7ª Arte no Suriname. Tai-Apin está a desempenhar um grande papel na revolução cinematográfica do Suriname e é um exemplo de como com força e dedicação podemos conseguir grandes vôos.

Ivan Patrick Tai-Apin is a well-known Surinamese - Dutch actor, director, screenplay writer and producer. He is mostly known for his out of the box theater shows & plays. In 2016 he started his own Camera Acting School in Suriname and is also the Managing Director of It Goes Productions & It Goes Casting. In recent years, Tai-Apin has done a lot for the film industry in Suriname and his most recent effort is the drama "Wiren" that made history by becoming Suriname's first Oscar entry for the Best Foreign Film category. This selection can have a major impact for the film industry in Suriname and Tai-Apin seems to be trying to elevate even further this industry so that Suriname can rival with its South American neighbours. We spoke to Tai-Apin about "Wiren", but also about his plans to boost the film industry in Suriname. Tai-Apin is playing a big role in the film revolution of this country and is an example of how with strength and dedication we can achieve great things.  


Entrevista a Ivan Tai-Apin, Realizador Responsável por Wiren, Primeiro Candidato do Suriname aos Óscares. Conheça a Sua História e Como Tai-Apin Está a Ajudar o Cinema a Crescer no Suriname

When nine-year-old Wiren meets the American Dr. Young a world of opportunities opens up for the small deaf boy. Driven by his ambition to get ahead in life he leaves his life in rural Nickerie behind and winds up at the Kennedy boarding school in the capital Paramaribo. He struggles to comply to the strict, conservative Catholic methods at the school, but turns out to become the catalyst for the change that leads to the introduction of sign language. After being rejected by the university he realizes that deaf people do not enjoy the same rights and opportunities as hearing people. Witnessing the constant withhold of deaf people in Suriname leads Wiren to seek justice by suing the government to coerce them to adhere to the Convention of the Rights of People with Disabilities. Will he succeed?

Portal Cinema (PC) – Antes de explorarmos  “Wiren”, gostaria de lhe perguntar como é que se envolveu na indústria cinematográfica e quais são as suas principais inspirações e influências?/ Before we explore your film “Wiren”, I would like to ask you how did you got involved in the film industry and what are your main inspirations and influences? 


Ivan Tai-Apin - Em criança sempre fui fascinado por filmes de Hollywood, especialmente por musicais, filmes de fantasia e dramas históricos. Quando morei na Holanda (entre 1998 e 2011) comecei a ter aulas de representação em teatro e consegui, graças a isso, vários papéis de extra. Em 2004, consegui o meu primeiro papel principal graças a uma agência de casting em Roterdão. Após essas experiências resolvi fazer uma masterclasse em realização (durante 2 anos) e comecei por fazer vídeos e curtas. Fiz castings, editei e trabalhei como coach de representação em diversos projetos. 

Inspiro-me em pessoas e assuntos que ainda não foram explorados. O desconhecido sempre me interessou. Gosto de ir onde ninguém jamais foi e gosto de o tornar visível e audível para a Humanidade. O Suriname é um país com tantas histórias escondidas, um país que o mundo precisa ver e ouvir falar. Tantas culturas diferentes que ainda estão intactas e em coexistência. Gosto de colocar histórias simples de pessoas comuns numa outra abstração para que o público possa criar empatia com as personagens e a sua história.


As a child I was always fascinated by Hollywood films especially musicals, fantasy and historic films. When I lived in Holland (between 1998 and 2011) I started taking acting lessons in theater and got roles as an extra on movie sets. In 2004 I got my first lead acting role through a casting agency in Rotterdam. After these experiences I decided to take masterclasses in directing (for 2 years) and started making videos and shorts. I did castings, editing and worked as an acting coach on different projects. I get inspiration from people and subjects that are yet to be explored. 

The unknown has always interested me. Going where nobody has gone before and making it visible and hearable for humanity. Suriname is a country with so many hidden stories, a country the world needs to see and hear about. So many different cultures which are still intact and in coexistence. I like to put simple stories of ordinary people in another abstraction so that the audience can empathise with the characters and their story. 


PC - Vamos então falar do “Wiren”. Este já é um filme histórico, pois é a primeira vez que o Suriname envia um candidato ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro. Como recebeu a notícia e como descreve esse momento em relação à sua carreira, mas também à indústria cinematográfica do Suriname?/ Lets talk about “Wiren”. This is already an historical film, since it’s Suriname’s first submission to the International Feature Film Oscar category. How did you got the news and how do you describe this moment regarding your career, but also Suriname’s film industry? 


Ivan Tai-Apin - - Em Outubro de 2020 enviamos o filme ao Comité de Seleção do Suriname e, em Novembro, recebemos uma carta a informar que o Comité tinha escolhido “Wiren” para representar o país na 93º Edição dos Óscares. 

Este não é apenas um marco na minha carreira, mas também um novo passo para o Suriname como um todo. 800 pessoas e cerca de 150 empresas e organizações do Suriname trabalharam neste projeto. Para um país com 600.000 habitantes isto é enorme. Este é o primeiro filme do Suriname com uma equipe totalmente surinamesa e que vive no Suriname. Cada passo que damos com este filme deixa-me emocionado e orgulhoso. Estamos muito felizes com estas conquistas. Espero que possamos fazer mais filmes no Suriname.  Este filme foi financiado principalmente por crowdfunding e por pessoas que deram tudo para colocar esta história em destaque. O orçamento total foi de 80.000 euros, o que para qualquer cineasta é um valor pequeno, mas para um país do terceiro mundo como é o Suriname é um grande orçamento.


In October 2020 we sent the film to the Suriname Selection Committee and in November we got a letter that the Committee had chosen "Wiren" to submit it for the 93rd Oscars. 

This is not only a milestone in my career but also a new step for Suriname as a whole. 800 people and around 150 companies, organisations in Suriname have worked on this project. For a country with 600.000 people this is huge. The first Suriname film with a total Surinamese crew who all live in Suriname. Every step we make with this film makes me emotional and so proud. We are so happy with these accomplishments. I hope we can make more movies in Suriname. This movie was mostly funded through crowd-funding and people who gave everything to put this story to the front. The total budget was 80.000 euro, for filmmakers this is small but for a 3rd world country as Suriname this is a big budget. 


PC – “Wiren” é a sua primeira longa-metragem e também desepmenhou os cargos de guionista, produtor e diretor de casting. Como teve a ideia de "Wiren"? E que desafios enfrentou para produzi-lo?/ “Wiren” is your first feature film and you also served as writer, producer and casting director. How did you come up with the idea for "Wiren"? And what challenges did you faced to bring him to life? 


Ivan Tai-Apin - - Em 2016 fui abordado pela Sudobe (fundação para surdos do Suriname). Eles tinham ouvido falar das minhas peças de teatro peculiares e, por isso, pensaram que eu não poderia rejeitá-los. Então fui à reunião e eles disseram-me que queriam fazer um projeto criativo comigo. Disse-lhes que eles tinham então 2 semanas para fazer uma apresentação individual sobre a sua experiência de vida como surdos. Foi nessa apresentação que ouvi a história de um dos jovens membros do comité Sudobe chamado Wiren. Ele disse-me que queria ir para a universidade mas que não o poderia fazer, então pensei logo que a sua história era algo que o mundo teria que conhecer. 

Esta história pode ter um impacto na sociedade para que os surdos possam ser notados e mudanças possam ocorrer. Desde o início do projeto, o presidente da fundação deixou claro que o projeto deveria ser sobre integração, aceitação e participação de surdos no Suriname. Então foi assim que tudo começou. Os primeiros desafios que enfrentei foram: Como vou comunicar com eles? Por meio do intérprete ou devo aprender a linguagem gestual? Como vou fazer as audições? Vou combinando atores auditivos com atores surdos? Quem vou chamar para ser o meu DOP, e as pessoas e empresas vão acreditar nesse projeto completamente fora da caixa? Como iremos angariar o financiamento? 

Durante as audições para o elenco encontrei o ator principal Idi lemmers que acabou por interpretar Wiren na sua idade adulta. O segundo que encontrei foi o ator que interpretou o jovem Wiren, Altaafkhan Dhonre, que realmente é surdo. E, por fim, encontrei a versão infantil de Wiren, Rafe Leysner, que se adaptou rapidamente à história. Treinei com todos os três e os três coordenaram-se muito bem entre eles, sendo de destacar como  Dhonre  ajudou Lemmers a aprender língua gestual. Para além disto destaco também o papel da esposa de Wiren, Lily, interpretada por Gaby Treurniet, uma atriz que foi cuidadosamente escolhido para este papel


In 2016, I was approached by the Sudobe (foundation for deaf people in Suriname). They heard of my out of the box theater plays so they thought I might not reject them. So I went to the meeting and they told me they wanted to do a creative project with me. I told them they had 2 weeks to individually give a presentation about their life experience as a deaf person. So when one of the youth members of the Sudobe committee, Wiren, told me that he wanted to go to the university but couldn't do it, I immediately thought this is a beautiful story that the world needs to hear. This story can have an impact on society so deaf people could be noticed and change can come. 

Since the beginning of the project, the chair of the foundation was clear that the project should be about integration, acceptation and participation of deaf people in Suriname. So that’s how it all started. The first challenges I faced where: How will I communicate with them? Through the interpreter or should I learn the Surinamese Sign Language? How will I do the auditions? Combining hearing actors with deaf actors? Who am I going to call to be my DOP, and are people and companies going to belief in this out of the box project? How will we do the funding? 

During the auditions, I found the lead actor Idi lemmers who played Wiren in his adult years. The second one I found was the Youth Wiren, Altaafkhan Dhonre, who really is deaf. And then I found the childhood Wiren, Rafe Leysner who adapted fast to the story. I practiced with them together and the adult Wiren had to shadow the deaf Wiren. He also had to learn the Surinamese Sign Language. Also the role of Wiren’s wife Lily, played by Gaby Treurniet was carefully chosen. 


PC – Como descreve este filme ao público estrangeiro? E agora que tem a hipótese de chegar aos Óscares em 2021, acha que o filme será exibido em mais mercados?/ How do you describe this film to foreign audiences? And now that it has a chance of reaching the Oscars in 2021, do you think the film will be shown in more markets?


Ivan Tai-Apin - "Wiren" é um filme realizado no Suriname (o país mais pequeno da América do Sul) que retrata a vida de um surdo que luta contra a injustiça no seu país. Ele sabe que tem que fazer tudo ao seu alcance para mudar a vida das pessoas com deficiência, mesmo que tenha que lutar por isso num tribunal. 

O espectador também tem um gostinho de nossa música, das diferentes culturas do Suriname e do seu povo diversificado que resulta de uma combinação com nossa herança cultural (uma ex-colónia holandesa). Muitos países do terceiro mundo, como o Suriname, enfrentam injustiças que são resultado de um sistema que carece de conhecimento e recursos para dar a pessoas como Wiren oportunidades de se desenvolverem plenamente. Pese embora estas injustiças, Wiren faz de tudo para superá-la.  Espero que “Wiren” seja exibido em mais mercados. Agora estamos apenas no mercado do Suriname e da Holanda.


"Wiren" is a film made in Suriname (smallest country in South America) which portrays the life of a deaf man fighting against injustice in his country. He knows he has to do everything in his power to change the lives of people with disabilities, even if he has to go to court. 

The viewer also gets a taste of our music, the different cultures in Suriname and its diverse people in combination with our heritage (a former Dutch colony). A lot of 3rd world countries like Suriname face injustice which is the result of a system that lacks knowledge and resources to give people like Wiren opportunities to fully develop themselves. Although this injustice Wiren still does everything to overcome it. I hope "Wiren" will be shown on more markets. Now we are only on the Surinamese and Dutch market. 


PC – Pode-nos contar sobre o processo de desenvolvimento do filme? E que lições importantes acredita que o filme tem para oferecer ao espectador/ Can you tell us about the developing process of the film? And what major lessons do you believe the film has to offer the viewer? 


Ivan Tai-Apin - Na pré-produção o grande desafio foi encontrar os membros certos para a equipa. Primeiro começou com o DOP, Sander Coumou, com quem escrevi a história. Depois disso, nós os dois concentramo-nos na nossa própria especialidade e discutimos todos os detalhes. Depois disso, veio a fase de produção. Tínhamos apenas 30 dias para filmar devido ao alto custo e pouco orçamento disponível, então esse foi um grande desafio, mas planeamos tudo muito bem e correi tudo bem. A equipa deu tudo o que tinha. 

Na fase de pós-produção, acho que a fase de marketing é, agora, a mais desafiadora. Embora não tenhamos um sistema de distribuição no Suriname e apenas um cinema, ainda assim conseguimos colocar o nosso filme no mercado europeu. O trabalho duro realmente valeu a pena. Lição principal: podemos realizar tudo o que quisermos se trabalharmos duro e colocarmos o nosso coração nisto, assim como no filme. No filme, Wiren luta pelos seus direitos e pelos seus sonhos porque acredita na justiça de todos nós.


In the pre-production we struggle to find the right crew members. First it started with the DOP, Sander Coumou whom I wrote the story with. After this we both focused on our own specialty and discussed every detail of the shots, sound and drama. After this came the production phase. We only had 30 days to film because of the high cost and little budget so this was a big challenge but we planned it very tight. The crew gave everything they had. 

In the post production phase, I think the marketing phase right now is the most challenging. Although we don’t have a distribution system in Suriname and only one cinema we still managed to get our film on the European market. Hard work really paid off. Major lesson: We can accomplish anything we want if we work hard and put our hearts into it, just like in the movie. Wiren fights for his rights and for his dreams because he beliefs in the righteous for us all. 


PC – É uma pergunta difícil tendo em consideração os tempos imprevisíveis em que vivemos, mas  tem planos para o que fará a seguir?/ It’s a hard question taking into consideration the unpredictable times we’re living in, but do you have any plans for what you’ll do next? 


Ivan Tai-Apin - Durante esses tempos de Covid tive a oportunidade para me concentrar nos meus próximos filmes. Um é sobre uma história de amor controversa no ano de 1.700, quando o Suriname pertencia à Holanda. Essa história já está em fase de argumento.  Eu adoro fantasia, então também escrevi uma história de fantasia, mas as personagens ainda não estão totalmente desenvolvidos. E, por último, mas não menos importante, escrevi também uma história sobre desporto que está em fase inicial. Mas nunca sabe o que vai acontecer, porque posso mudar radicalmente de ideias e ir para um tema totalmente diferente. O mundo psiquiátrico sempre me fascinou, por exemplo. Tentar entender o mundo dos pacientes psiquiátricos e explorar estes dramas num filme para que o público possa entender melhor estes pacientes é algo que também quero fazer. Fiz algumas pesquisas sobre isto e acho que é uma grande ideia para ancorar um filme. 

Trabalho no mundo criativo há vinte anos. “Wiren” é meu filme de estreia, mas com certeza não será o último. LOBI (significa AMOR em dialeto do Suriname; Sranan Tongo)


During these Covid times I can focus on my next feature films. One is about a controversial love story in seventeen hundred in Dutch-Suriname. This story is already in the screenplay phase. I love fantasy, so I also wrote a fantasy story but the characters are not fully developed yet. And last but not least a story about sports which is in the start-up phase. But you never know if I might switch and go for a whole other theme. The psychiatric world has always fascinated me. Trying to understand the world of psychiatric patients and put it on film so the audience can understand these patients better. I did some research on that and the findings are great to put in a film. 

I have been working in the creative world for twenty years now. "Wiren" is my debut film but it surely will not be my last. LOBI (means LOVE in Surinamese Dialect; Sranan Tongo)



Enviar um comentário

0 Comentários