Ticker

6/recent/ticker-posts

Entrevista a Bárbara Paz, Realizadora do Surpreendente Documentário Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, o Candidato do Brasil aos Óscares

 

Entrevista a Bárbara Paz, Realizadora do Surpreendente Documentário Babenco – Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou, o Candidato do Brasil aos Óscares
Bárbara Paz Créditos - Felipe Hellmeister 

Bárbara Paz é uma cara conhecida no Brasil claro está, mas também em Portugal. Ao longo da sua carreira, Bárbara Paz protagonizou dezenas de telenovelas e filmes. Mas esta atriz é também uma realizadora de enorme talento. Após realizar duas curtas, Bárbara Paz estreou-se em 2020 na direção de longas metragens com "Babenco – Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou", um documentário que traça os últimos momentos de vida do cineasta Hector Babenco, o marido de Bárbara Paz que faleceu em 2016. Babenco foi um dos vultos da 7ª Arte no Brasil, tendo até chegado a ser nomeado ao Óscar de Melhor Realizador pelo seu filme "O Beijo da Mulher-Aranha", mas este foi apenas um dos seus muitos filmes de qualidade. E com o documentário "Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou", Bárbara Paz presta uma homenagem justa, merecida e de grande qualidade à vida e ao trabalho do seu marido, amigo e ídolo. É um documentário que vale a pena ver, não só por versar sobre um dos grandes nomes do Brasil e por ter sido escolhido por este país para o representar nos Óscares, mas porque é, de facto, um dos grandes documentários do ano. Falamos com Bárbara Paz sobre como foi fazer este documentário e sobre o que espera alcançar com o mesmo! 
Bárbara Paz is a well-known face in Brazil, of course, but also in Portugal. Throughout her career, Bárbara Paz starred in dozens of soap operas and films. But this actress is also a film director of enormous talent. After making two short films, Bárbara Paz debuted in 2020 in the creation of feature films with "Babenco", a documentary that traces the last moments of life of the iconic filmmaker Hector Babenco, the husband of Bárbara Paz who passed away in 2016. Babenco was one of the biggest figures of Film Industry in Brazil, having been nominated for a Best Director Oscar for his film "The Kiss of the Spider Woman". But this was just one of his many quality films. And with the documentary "Babenco", Bárbara Paz pays a just, deserved and high quality tribute to the life and work of her husband, friend and idol. It's a documentary worth seeing, not only because it focus in one of the great names and minds in Brazil, but because it's, in fact, one of the great documentaries of the year. We talked to Bárbara Paz about what it was like to make this documentary and what she hopes to achieve with it!


Entrevista a Bárbara Paz, Realizadora do Surpreendente Documentário Babenco – Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou, o Candidato do Brasil aos Óscares

"I have already lived my death and now all that is left is to make a film about it." So said the filmmaker Hector Babenco to Bárbara Paz when he realized he did not have much time left. She accepted the challenge to fulfill the last wish of her late partner: to be the main protagonist in his own death. In this tender immersion into the life of one of the greatest filmmakers from South America, Babenco himself consciously bares his soul in intimate and painful situations. He expresses fears and anxieties, and also memories, reflections, and fantasies, in this face-off between his intellectual vigor and physical frailty, which were the hallmarks of his career. From the onset of cancer at the age of 38 until his death at 70, Babenco made of the cinema his medicine and the nourishment that kept him alive. "Babenco - Tell me when I Die" is Barbara Paz's first feature film, but is also in a way Hector's last work: a film about filming so never to die. -Text by Bárbara Paz at IMDB 


PC – Como nasceu “Babenco– Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou”?  E, para quem não o conhece, como pode descrever a força da natureza que era Hector Babenco?/ How did “Babenco" was born? And, for those who didn't know him, how can he describe the force of nature that was Hector Babenco?


Bárbara Paz - Num dos altos e baixos da doença do Hector, tive a ideia de criar o documentário, com medo que ele fosse partir naquele hospital, naquela viagem e ele concorrou. Fiquei pensando como nunca alguém tinha feito um documentário sobre ele. Hector tinha uma força incrível. Ele era um leão. Ele amou muito a vida: ficou vivo para fazer cinema e fez cinema para conseguir viver. Ele levou o cinema nacional brasileiro para o mundo. 

In one of the ups and downs of Hector's illness, I had the idea of creating thss documentary, afraid that he was going to die in that hospital, and he agreed. I wondered how anyone else had ever made a documentary about him. Hector had incredible strength. He was a lion. He loved life very much: he stayed alive to make movies and made movies to be able to live. He took Brazilian national cinema to the world.


PC – Como o descreveria a um possível espectador? E quais os grandes motivos para convencer o grande público a ver esta obra?/ How would you describe it to a possible viewer? What are the main reasons to convince the public to go see this work?


Bárbara Paz - É um filme de amor. A minha carta de amor para o Hector. É um poema visual. O mundo está a precisar de mais amor e de menos guerra. É um filme que fala das entranhas de um ser humano – é um tema sobre o qual todos se vão identificar de alguma forma. É um filme de despedida, mas é um filme sobre a vida.

It's a love movie. My love letter to Hector. It's a visual poem. The world is in need of more love and less war. It's a film that talks about the deepest thoughts of a human being - it's a theme that everyone will identify in some way. It's a farewell film, but it is a film about life.


PC - Para as audiências internacionais como o descreve? E como o enquadra no panorama nacional de documentários? For international audiences, how do you describe it? And how does it fit in amongst the documentary scene of Brazil?


Bárbara Paz - O filme é uma carta de amor ao cinema. Acho que é um filme de cinema. Sobre como o amor pode manter a gente vivo por mais tempo... Sem enquadramentos nem janelas.

The film is a love letter to cinema. I think it's a movie about how love can keep you alive longer ... Without frames or windows.


PC – Quais foram os principais desafios que enfrentou para dar vida a “Babenco– Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou”?/ What were the main challenges you faced to give life to “Babenco”?


Bárbara Paz - Fazer um filme não é barato. Fazer um filme sobre uma despedida de alguém que luta para sobreviver não é fácil. Fazer um filme de arte num circuito onde só está havendo guerras é uma tarefa árdua. Fazer um filme de amor no meio do caos de uma política nacional é um bálsamo. O amor, assim como o cinema, não conhece fronteiras nem limites. Como diria Orson Welles é o fluxo constante do sonho. 

Making a movie is not cheap. Making a movie about saying goodbye to someone struggling to survive is not easy. Making an art film in a circuit where there are only wars is an arduous task. Making a love movie in the midst of the chaos of national politics is like a balm. Love, like cinema, has no boundaries or limits. As Orson Welles would say, it is the constant flow of the dream.


PC – O que significa a escolha de “Babenco– Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou” para representar o Brasil nos Óscares? E perante isto quais são as suas expectativas globais (quer no festival, quer posteriormente) para a mesma?


Bárbara Paz - “Babenco – Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou” foi o primeiro documentário a ser escolhido pelo Brasil a competir na categoria Melhor Filme Internacional. Tenho muito a agradecer a Academia Brasileira de Cinema por essa escolha. Só isso para mim é uma vitória. Mas estou me esforçando muito para que a gente possa chegar mais longe e levar o Hector de volta para a Academia, o lugar onde ele levou o cinema brasileiro para o mundo. O filme já conquistou prêmios internacionais incluindo o prêmio de Melhor Documentário no 76º Festival de Cinema de Veneza e o de Melhor Documentário no Festival de Mumbai (Índia) - está conquistando o mundo! Nessa semana também recebemos a notícia que o filme conquistou o prêmio de Melhor Documentário no Festival Internacional de Documentários de Guangzhou, na China. 

“Babenco" was the first documentary to be chosen by Brazil to compete in the Best International Film category at the Oscars. I have much to thank the Brazilian Film Academy for this choice. That alone is a victory for me. But I am working hard so that we can go further and take Hector back to the Academy, the place where he took Brazilian cinema to the world. The film has already won international awards including the Best Documentary at the 76th Venice Film Festival and the Best Documentary at the Mumbai (India) Festival - it is conquering the world! This week we also received the news that the film won the award for Best Documentary at the Guangzhou International Documentary Festival in China.


PC – E espera que “Babenco– Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou” abra caminho a produção nacional de documentários de luxo que possam competir pelos grandes prémios internacionais?/ And do you hope that “Babenco” will pave the way for national production of luxury documentaries that can compete for the big international prizes?

 

Bárbara Paz - Como disse foi a primeira fez que um documentário foi escolhido pelo Brasil a competir na categoria de Melhor Filme Internacional. Isso coloca o documentário com o mesmo valor que uma ficção. 

As I said, it was the first time that a documentary was chosen by Brazil to compete in the category of Best International Film. This places the documentary with the same value as a fiction.

Enviar um comentário

0 Comentários