Ticker

6/recent/ticker-posts

Crítica - Chernobyl 1986 (2021)

Realizado por Danila Kozlovsky

Com Danila Kozlovsky, Oksana Akinshina, Filipp Avdeev


A resposta da Netflix (e da Rússia) à controversa mas aclamada minissérie "Chernobyl" da HBO é esta longa metragem intitulada "Chernobyl 1986"/ "Chernobyl: Abyss". Menos detalhada que essa minissérie, este projeto retrata com mais afinco o drama Humano que se viveu na cidade de Pripiat em Abril de 1986. E, para surpresa de muitos, também promove algumas críticas ao regime soviético da altura, já que são múltiplas as referências à forma como o governo da época lidou com o desastre, as consequências do mesmo e até aponta culpas ao regime  pelas falhas na construção do reator que acabaram por estar na base do acidente. Estas referências não são, no entanto, tão controversas como as que são feitas pela obra da HBO que vão, como se sabe, mais além dos relatórios tornados públicos, contendo assim algumas informações polémicas e, também, algumas imprecisões históricas e factuais, sendo a mais conhecida a nota de rodapé altamanente dramática mas comprovadamente falsa relativa à "ponte da morte".

A história de "Chernobyl 1986" é inspirada em relatos verídicos, mas nenhuma das personagens é real, nomeadamente o seu protagonista, o heróico bombeiro Alexei (interpretado por Danila Kozlovsky que também assume o cargo de realizador) que, de certa forma, representa todas as pessoas (bombeiros, técnicos, militares) que ajudaram a evitar um desastre maior e que acabaram por morrer ao serviço do bem maior. É em Alexei que se foca grande parte do drama e da ação deste mega projeto russo. Este transporta-nos para os bastidores de uma das maiores emergências nucleares da história, sendo que por bastidores não nos referimos aos escritórios onde foram tomadas decisões difíceis, mas sim até à cave altamente radioativa da central nuclear. Foi aqui que bravos homens tiveram que entrar para cumprir uma missão suicida que impediu uma explosão nuclear em larga escala que poderia ter tornado a Ucrânia inabitável. É nesta missão arriscada que se foca a reta final do filme, mas antes são explorados, com algum detalhe, os primeiros momentos após a grande tragédia e é aqui que são feitos os principais ataques à atuação do regime soviético. 

Esta super produção, cujos direitos de distribuição mundial foram adquiridos pela Netflix, é mais uma produção russa com qualidade, juntando-se assim a tantos outros títulos que nos têm chegado e têm agradado. A Netflix tem patrocinado a exibição de muitas destas obras na Europa e Estados Unidos e, a julgar pelo sucesso de obras como esta ou "Silver Skates" e "Major Groom: Plague Doctor", é bem provável que a plataforma continua a brindar-nos com grandes obras russas. O público agradece, claro está. 


Classificação - 3 Estrelas em 5

Enviar um comentário

0 Comentários