Crítica - John Carter (2012)

Realizado por Andrew Stanton
Com Taylor Kitsch, Dominic West, Mark Strong

A Walt Disney Pictures gastou trezentos milhões de dólares na produção e promoção deste “John Carter”, um estiloso blockbuster de ficção científica que foi criado para ser tão bom e tão bem-sucedido como “Avatar” ou a “Star Wars Saga”, no entanto, uma série de inacreditáveis falhas ao nível da sua narrativa e elenco acabaram por ditar o fracasso qualitativo e, muito provavelmente, financeiro desta mega-produção que já é tida como o primeiro grande flop deste ano e como um dos maiores desastres comerciais desde “Speed Racer” (2008). A sua história é baseada no clássico literário “A Princess of Mars”, de Edgar Rice Burroughs, e centra-se em John Carter (Taylor Kitsch), um veterano de Guerra Civil Norte-Americana, que é inexplicavelmente transportado para Marte (Barsoom) onde, e ainda que relutantemente, é envolvido num conflito de proporções épicas entre as duas principais cidades do planeta – Helium e Zodanga. Num mundo à beira do colapso, Carter redescobre a sua humanidade quando percebe que a sobrevivência de Barsoom e do seu povo está nas suas mãos.


Os filmes de ficção científica não têm que ser realistas mas têm que ter um conteúdo minimamente cativante e robusto que consiga envolver e motivar os espectadores a se interessarem pela sua história. Um dos maiores defeitos de “John Carter” reside precisamente na sua inabilidade de prender o público à sua limitada trama que deixa demasiadas coisas em aberto e que se torna, em certas alturas, um bocado ridícula e confusa devido em grande parte às extravagantes explicações cientificas e mitológicas sobre o funcionamento ou relevância de certos elementos místicos da cultura marciana e ao facto de nunca conseguirmos compreender muito bem o que é que os verdadeiros vilões do filme – Therns – são e o que esperam conseguir com os seus elaborados e intricados planos. As motivações dos vilões não são, infelizmente, o único elemento do seu enredo a ser afectado por uma clara falta de coerência e de informações concretas, porque outros momentos fulcrais do filme também sofrem do mesmo mal, diminuindo assim drasticamente o valor e o nível de entretenimento deste filme porque ninguém gosta de ver uma obra que não compreende ou que esteja cheia de lacunas. A construção narrativa dos seus vários intervenientes também está cheia de falhas que também contribuem para o alienamento da atenção e interesse do espectador, sendo de destacar o fraco desenvolvimento romântico e emocional do casal maravilha – John Carter e Dejah Thoris (Lynn Collins) - ou o facto de o passado de John Carter nunca ser abordado com muito detalhe, algo que nos impede de simpatizar com os seus dilemas ou compreender algumas das suas atitudes. É claro que a isto tudo temos que somar os inevitáveis clichés românticos e/ou comerciais que aparecem em quase todos as grandes produções de Hollywood e que estão bem presentes em "John Carter". A sua conclusão não é melhor ou mais cativante que o seu desenvolvimento, muito embora, tenha uma clássica batalha final que infelizmente é intercalada por dois casamentos desprovidos de qualquer emoção e uma mais que previsível reviravolta que abre as portas para uma continuação, que só deverá acontecer se a Walt Disney não tiver amor ao dinheiro ou mudar drasticamente o rumo e essência deste franchise.


O seu argumento deixa muito a desejar mas felizmente há alguns elementos de interesse em “John Carter”, nomeadamente a sua deslumbrante estética e audaciosa vertente sonora que não o salvam da mediocridade, mas que acabam por evitar um desastre ainda maior. Andrew Stanton deu o seu melhor e criou uma variedade de maravilhosos cenários e uma série de intensas cenas de acção que são ilustradas por deslumbrantes efeitos visuais que reforçam o elevado nível de entretimento das batalhas físicas e aéreas que envolvem John Carter e os seus aliados. As várias criaturas monstruosas que vão aparecendo ao longo do filme também têm uma construção gráfica muito pormenorizada e sumptuosa, sendo de destacar o visual dos Tharks. Entre a mediocridade da sua história e a excelência dos seus elementos técnicos encontramos o seu elenco, um misto de boas e más escolhas que não conta com nenhum actor de relevo que consiga atrair e cativar as massas. Eu não tenho nada contra Taylor Kitsch e até o acho um actor relativamente talentoso e interessante que até tem um bom trabalho nesta obra, no entanto, ele não tem a fama nem o carisma necessários para protagonizar um blockbuster desta dimensão que, no meu entender, necessitava de um actor estabelecido e apreciado pelo grande público, ou seja, um astro como Robert Downey Jr. em “Iron Man” ou Hugh Jackman em “X-Men”, dois actores que arrastam multidões e sobressaem no meio dos efeitos visuais dos seus respetivos filmes. Ao nível do elenco secundário, Lynn Collins está bem como a atrativa beldade da história, mas Dominic West e Mark Strong não convencem como vilões. Willem Dafoe, Samantha Morton e Thomas Haden Church cumprem a sua função ao emprestarem a sua voz aos três principais elementos dos Tharks. É difícil de recomendar “John Carter” a alguém que aprecie um filme com pés e cabeça, mas se apenas estiver interessado num excelente festival de acção e efeitos visuais/ sonoros, então este é um blockbuster que não pode perder.

Classificação - 2,5 Estrelas Em 5

11 comentários:

  1. um dos piores filmes que já vi na vida

    ResponderEliminar
  2. um dos melhores filmes que já vi, muito bem elaborado, so os burros nao entenderam o que aconteceu no filme

    ResponderEliminar
  3. Eu vi e gostei,tb concordo que á falhas algumas bem importantes,que poderiam mudar o rumo e a ópinião de muita gente...mas no geral e como gosto do género de filme,gostei e aconselho a ver para quem gosta deste tipo de filme.

    ResponderEliminar
  4. Bom filme, com falha de marketing, assistam! boa historia, bom enredo, bela fotografia(efeitos visuais). vale a sessão!

    ResponderEliminar
  5. Pena, para um ótimo livro de ficção, quase centenário diga-se de passagem, com ótimos apelos considerando a época em que foi escrito.

    Parece mais do mesmo agora, mas, lembrando a data em que foi publicado (1917) podería-se dizer que muitas outras histórias modernas que foram sucesso nas telas se basearam nele.

    Pena mesmo.

    ResponderEliminar
  6. A questão de deixar lacunas na realidade seria muito mais uma possível tentativa de continuação da saga.

    Não que isto irá ocorrer, porém um detalhe que soa, digamos, "estranho" é...como que a pessoa irá deixar de assistir? Se as falhas somente serão possíveis de serem vistas após o filme ter sido assistido?
    Ninguém abandona o cinema vendo este filme em questão.

    ResponderEliminar
  7. O final deu para esclarecermos algumas coisas, mas mesmo assim, não achei um filme muito bem construído como foi dito na crítica.
    Pouco cativante...

    ResponderEliminar
  8. Um dos filmes mais inteligentes que já vi na vida, sem mais.

    ResponderEliminar
  9. Achei incrivel! Discordo muito da critica... DOu nota 8.5 muito bom!

    ResponderEliminar

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial