Crítica - Sex Tape (2014)

Realizado por Jake Kasdan
Com Cameron Diaz, Jason Segel, Rob Corddry

Tal como o desapontante "Bad Teacher" (2011), a anterior parceria entre Jake Kasdan, Cameron Diaz e Jason Segel, "Sex Tape" pode-se descrever como um daqueles filmes que fazem justiça ao popular provérbio português "muita parra e pouca uva". É porque se espera que "Sex Tape" seja tão provocativo, entusiasmante ou picante como o seu título parece sugerir, então prepara-se para ficar desapontado com a pseudo aguerrida e nada extravagante história de Jay (Jason Segel) e Annie (Cameron Diaz), um casal feliz mas stressado que, para agitar um pouco o ambiente, decidem fazer uma sex tape (vídeo caseiro de sexo) que, por acidente, acaba por ir para à internet, obrigado assim este casal a passar por uma humilhante provação para ultrapassar este acidente de percurso.


Ao longo de pouco mais de uma hora e meia, "Sex Tape" explora esta intriga básica sem qualquer pingo de originalidade ou surpresa. O que mais choca é que, já a meio do filme, chegamos à conclusão que estamos perante uma comédia que não se enquadra em nenhuma categoria, já que não funciona dentro dos objetivos de uma comédia romântica ou de uma comédia adulta. É porque, no fundo, o que está na sua origem é uma desequilibrada mistura entre ambos os estilos, mas sem a força de um romance cativante ou a destreza de um humor adulto astuto e/ou sexual. Ao não apresentar uma intriga romântica empolgante ou, pelo menos, um par sequências cómicas que entusiasmem ou divirtam quem o está a ver, "Sex Tape" acaba por cair num vazio genérico sem risos ou romance que nem sequer aproveita as inúmeras possibilidades da sua picante base narrativa para capitalizar a inerente perspectiva sexual e pornográfica da história para, assim, poder ir um pouco mais além no espectro social das questões relativas à falta de privacidade ou à importância das fantasias sexuais. A parte sociológica e psicológica referente ao poder e potencial do sexo e da internet é, portanto, virtualmente ignorada, mas nos outros pontos também não existe nada que se aproveite. É porque mesmo ignorando a falta de química do casal pastelão interpretado, sem qualquer chama ou vigor, por Jason Segel e Cameron Diaz, "Sex Tape" poderia ao menos ter piada ou ser provocante, mas nada que marca presença neste filme aproxima-o sequer destas qualidades e, assim, "Sex Tape" acaba por ser tão pastelão como os seus dois protagonistas.

Crítica - 1,5 Estrelas em 5

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Bastante bom???? Tens 5 anos e tens a inteligência de um caracol morto.

      Eliminar
  2. Subscreve totalmente a crítica. Vou mais longe. Este filme é sobretudo (até me parece o objetivo principal) um grande spot publicitário ao IPad. Vou tentar esqucê-lo rapidamente vendo algum filme digno desse nome.

    ResponderEliminar
  3. É muito ruim! Não vejam! E olhe que amo meu iPad!!

    ResponderEliminar

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial