Pérolas Indie - The Good Lie (2014)

Realizado por Philippe Falardeau 
Com Reese Witherspoon, Arnold Oceng, Ger Duany 
Género - Drama 

Sinopse - Um grupo de jovens refugiados sudaneses são transportados para os Estados Unidos da América, onde deparam-se pela primeira vez com o mundo moderno e ocidental. Para os ajudar na adaptação à América vão contar com a preciosa ajuda de uma dedicada americana que foi designada para cuidar do trio.

Crítica - O presente ano foi proveitoso para a carreira de Reese Witherspoon, porque a juntar à sua bela performance no profundo drama intimista "Wild", Witherspoon também conseguiu arrancar uma grande performance neste belo e tocante "The Good Lie", um melodrama muito bonito cuja história tem como inspiração a triste mas real história dos Meninos Perdidos do Sudão que, para quem não sabe, é a designação popular que se atribui aos mais de vinte mil jovens sudaneses das etnias Nuer e Dinka que ficaram órfãos ou foram forçados a abandonar o seu país durante a 2ª Guerra Civil Sudanesa (1983 - 2005). Este projeto de Philippe Falardeau pega num exemplo ficcional baseado na génese real dos Meninos Perdidos do Sudão para criar uma intriga recheada de apelo e apego humano que, no final, conduz a um bolo narrativo repleto de mensagens morais e dramáticas que reforçam a dedicação e a lealdade, bem como os sentimentos mais puros de amizade, compaixão e amor. A sua génese verídica é profunda e tragicamente atual, já que o Sudão ainda é fustigado por grande instabilidade humana, política e económica, por isso "The Good Lie" ganha com isto um maior contexto de profundidade emocional, apesar de sabermos que existem alguns parâmetros de ficção no seu argumento que, no final de contas, pouco relevam para a causa deste projeto, porque apesar das relações entre o grupo de jovens sudaneses e a jovem americana que os acolhe não ser baseada numa jornada real, existe sempre um sentimento de enorme credibilidade e realidade nesta jornada, até porque esta pode ser considerada como uma conjugação de exemplos reais do que aconteceu aos vinte mil jovens sudaneses que foram forçados a abandonar o seu país de origem. 
Neste sentido, "The Good Lie" é uma obra que consegue mexer em pleno com as emoções e sentimentos do grande público, conseguindo também reforçar, em simultâneo, a beleza e a tristeza da Humanidade num campo de valores e moralidades que nos mostra os opostos da crueldade e da bondade do Homem, sendo a personagem de Witherspoon o exemplo do mais belo, e os Guerreiros do Sudão o exemplo mais feio destas considerações. É uma experiência cinematográfica muito bonita e tocante que, como é óbvio, roça alguns clichés para chegar aos corações dos espectadores, mas o conjunto desta obra é bastante positivo e transmite uma grande mensagem geral de esperança e compaixão que certamente irá ressoar nos corações do público. Há por isso que dar os parabéns, não só a Falardeu (Realizador) e a Margaret Nagle (Guionista) por terem criado, em conjunto, este drama humanista, mas também ao seu elenco central liderado por Witherspoon, que ajuda a dar uma força extra a este projeto, juntamente com os desconhecidos atores que interpretam os jovens sudaneses.

Classificação - 3,5 Estrelas em 5

1 comentários:

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial