Crítica - Red Lights (2012)

Realizado por Rodrigo Cortés
Com Cillian Murphy, Elizabeth Olsen, Robert De Niro, Sigourney Weaver

O que falhou em “Red Lights”? Esta é a pergunta que nos persegue após começarem os créditos finais deste thriller de Rodrigo Cortés que, após um auspicioso “Concursante (2007) e um poderoso “Buried” (2010), apresenta-nos um filme bastante mediano e frustrante que teoricamente tinha tudo para ser um dos melhores thrillers do ano. A sua desapontante narrativa acompanha a investigação de uma psicóloga, Margaret (Sigourney Weaver), e do seu curioso assistente, Tom (Cillian Murphy), que decidem estudar as estranhas habilidades de Simon Silver (Robert de Niro), um dos videntes mais conceituados do mundo, para assim conseguirem provar, de uma vez por todas, que não existem videntes e que todos os casos documentados de atividade paranormal são um embuste. O início da sua investigação é prometedor, mas acaba por envolver estes dois académicos no meio de um grande mistério.


Os seus trinta minutos iniciais têm um certo interesse e até nos deixam sonhar com uma trama intensa e envolvente, mas todo este potencial cai por terra mal Margaret e Tom entram a fundo na investigação ao passado e aos poderes de Simon Silver. A partir deste momento, “Red Lights” torna-se num filme frustrante e entediante que nunca nos consegue deixar admirados ou entusiasmados com a investigação dos psicólogos ou com os segredos do misterioso vidente cego que, juntamente com o estranho assistente da psicóloga, vê-se envolvido no centro de uma extravagante conclusão ainda mais ridícula que o resto do filme, conclusão essa que é antecedida por dois twists desastrosos que reforçam a incoerência que reina nesta obra. É por isso difícil de explicar qual é o grande objetivo ou mensagem do filme, já que tudo é tão confuso e o final destrói tudo aquilo que o desenvolvimento vinha a defender. Os diálogos e as sequências de suspense também não nos ajudam a obter uma resposta concreta para as nossas dúvidas e isso é extremamente frustrante, sendo o grande culpado de tal problema o seu realizador/ criador Rodrigo Cortés, que destruiu por completo um conceito com potencial com as suas ideias tresloucadas. Para ser franco, “Red Lights” só é salvo da nulidade total pelo seu elenco de estrelas, onde Robert De Niro, Cillian Murphy e Elizabeth Olsen se destacam com bons trabalhos. O mérito de De Niro e Murphy é ainda maior que o da jovem e promissora Olsen, porque as suas respetivas personagens têm uma construção narrativa desastrosa que também contribuiu para a grande trapalhada que é este “Red Lights”, um thriller desinspirado e nada requintado onde quase tudo falhou.

  Classificação – 1,5 Estrelas em 5

17 comentários:

  1. Ótimo filme! Você não entendeu nada... U.u NOOB!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ricardo Rangel Lirio19 de março de 2017 às 05:35

      Verdade. É um filme fantástico. Muito inteligente...Várias passagens vão dando sentido ao seu fim. Nele, suas verdades se abrem como os olhos dos cegos. Um que não era e outro que se fazia ser...

      Eliminar
  2. Assisti o filme e, na minha opinião, a crítica tem bons fundamentos.

    ResponderEliminar
  3. Talvez não tenha entendido o filme, achei um ótimo filme, do início ao fim. mas bom, é sua opinião. deixo o recado: leiam as críticas, mas assistam o filme, tirem suas próprias conclusões... ;)

    ResponderEliminar
  4. Não ha o q entender .... Incongurencia total.

    ResponderEliminar
  5. Na minha opnião o filme é muito bom, do inicio ao fim. Este filme deve ser visto com muita atenção. Tem uma passagem no filme que explica tudo. Assistam e tirem suas próprias conclusões.

    ResponderEliminar
  6. Filme muito bom! merece uma sequencia...

    ResponderEliminar
  7. Concordo totalmente com a crítica. O filme tinha tudo para se tornar um grande suspense inteligente e desafiador, mas subtamente durante a metade do filme, tudo começa a desandar e o que parecia ser um roteiro de credibilidade se transforma num circo em que nem a atuação do bom elenco pricipal consegue se salvar. Filme incoerente e frustrante...

    ResponderEliminar
  8. Excelente filme, um dos melhores dos últimos anos, critica completamente estupida de alguém que não entende a narrativa, nem a proposta do filme. De Niro como sempre brilhante.

    ResponderEliminar
  9. Vale a pena ver! Se falhou a narrativa... não sei

    ResponderEliminar
  10. tem de ser muito estupido para fazer uma critica assim
    so quem é inteligente percebe a mensagem do filme , um dos melhores de sempre.
    joao pinto , reforme se ou dedique se a pesca

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ricardo Rangel Lirio19 de março de 2017 às 05:29

      Concordo plenamente

      Eliminar
  11. Decepcionante. Começa bem mas, no final... É estilo Lost, em que o mais perdido é o autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ricardo Rangel Lirio19 de março de 2017 às 05:32

      Filme fantástico. Precisa ter um algo a mais para entender a proposta.

      Eliminar
  12. Vi o filme e não entendi o final resumo então uma bosta

    ResponderEliminar
  13. Vi o filme e não entendi o final resumo então uma bosta

    ResponderEliminar
  14. Ricardo Rangel Lirio19 de março de 2017 às 05:28

    Filme sensacional. A negação x a busca por iguais...

    ResponderEliminar

 

Descontos Em Bilhetes de Cinema

Crítica da Semana


Membro Oficial

Membro Oficial